Grécia

Grécia

Um coquetel perigoso para a liberdade de imprensa

O ano de 2020 foi sofrido para a liberdade de imprensa na Grécia. Para enfrentar a pandemia e também a crise dos refugiados, o governo conservador de Kyriákos Mitsotákis tentou - direta e indiretamente - controlar rigidamente o fluxo de informações. A polêmica campanha de conscientização pública sobre a Covid-19, orçada em € 20 milhões, ignorou ou destinou uma parcela desproporcionalmente pequena para os veículos de comunicação investigativos ou críticos ao governo, enquanto novos e generosos descontos de impostos para publicidade na imprensa foram introduzidos. Os jornalistas precisaram obter permissão do governo antes de fazer reportagens em hospitais e o ministério da saúde proibiu os profissionais da área de falar com a mídia. Em fevereiro passado, os canais públicos foram proibidos de veicular imagens que já circulavam nas redes sociais do primeiro-ministro violando as regras sanitárias. A polícia recorreu à violência e a proibições arbitrárias para obstruir a cobertura da crise de refugiados nas ilhas. Em Lesbos, jornalistas foram impedidos de cobrir as consequências do incêndio no assentamento de Moria, enquanto um grupo de jornalistas alemães independentes foi preso quando tentava informar sobre o desembarque de recém-chegados. Em Samos, uma equipe de documentaristas alemães foi detida sem motivo claro e maltratada pela polícia.  Para piorar as coisas, a emissora pública grega, que é controlada diretamente pelo primeiro-ministro apesar de uma decisão condenatória da Suprema Corte, censurou reportagens sobre os novos campos de migrantes. No final de 2020, em Atenas, a polícia obstruiu fotojornalistas que cobriam uma manifestação comemorativa, além de tratar de forma brutal e prender um jornalista por supostamente violar as regras da Covid-19. O novo esquema de policiamento em manifestações causa preocupação, uma vez que designa áreas específicas para alocar jornalistas. Em abril de 2021, a comunidade de jornalistas gregos foi abalada pelo assassinato do repórter Giorgos Karaïvaz, especializado em assuntos criminais.

70
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2021

Posição

-5

65 em 2020

Pontuação global

+0.21

28.80 em 2020

  • 1
    Jornalistas assassinados em 2021
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2021
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2021
Ver o Barômetro