Ranking 2022
158/180
Nota: 37.87
Indicador político
170
32.73
Indicador econômico
175
19.39
Indicador legislativo
159
36.84
Indicador social
176
27.00
Indicador de segurança
70
73.41
Ranking 2021
105/180
Nota: 65.64
N/A
Estes indicadores não estão disponíveis antes de 2022 em função de uma mudança metodológica

Apesar de sua reputação como o país menos repressivo do Golfo, o emirado governado por Nawaf Al-Sabah exerce grande controle sobre as informações.

Cenário midiático

Os jornais Al Qabas, Al Jarida e Al Siyasa, tradicionais e pouco críticos do governo, dominam o cenário midiático. Apesar do notável progresso em direção a uma maior democratização da imprensa por meio de podcasts como o Bidun Waraq e revistas digitais independentes como a Manshoor, o mundo da mídia continua dominado pela informação controlada pelo Estado.

Contexto político

O governo exerce forte controle sobre a informação e a liberdade de expressão continua limitada, embora grande parte da oposição exilada do Kuwait tenha sido recentemente perdoada. No entanto, as autoridades já fecharam veículos de comunicação por conteúdos "antigovernamentais", como no caso da rede Al Watan em 2015.

Quadro jurídico

Desde 2020, a Lei do Direito ao Acesso à Informação deveria garantir o trabalho dos jornalistas no Kuwait. Mas, na prática, o texto é frustrado por leis de censura que proíbem jornalistas, blogueiros e ativistas online de criticar o governo, o emir, a família governante, seus aliados ou a religião. O mesmo vale para a lei sobre crimes cibernéticos, que entrou em vigor em janeiro de 2016. 

Contexto económico

A maioria dos órgãos de imprensa do Kuwait são de propriedade de famílias ricas da elite. A criação de um veículo de comunicação requer a solicitação de uma licença do governo, um processo caro e demorado. Os grandes meios de comunicação funcionam como ferramentas de comunicação para o setor privado, com grandes somas pagas em troca de um artigo.

Contexto sociocultural

Vários assuntos são tabus no Kuwait e é difícil para os jornalistas abordar, especialmente, os direitos dos trabalhadores migrantes, os direitos das mulheres ou a corrupção.

Segurança

Embora o Kuwait não seja conhecido por assassinar ou prender seus jornalistas, alguns deles foram recentemente forçados ao exílio para evitar cumprir penas de prisão. Intimações e detenções de curta duração têm um efeito dissuasivo para a liberdade de informação.

Ataques em tempo real em Kuwait

Assassinados a partir de 1o de janeiro 2022
0 jornalistas
0 colaboradores de meios
0
Presos atualmente
0 jornalistas
0 colaboradores de meios
0