África
Serra Leoa
-
Ranking 2022
46/180
Nota: 71.03
Indicador político
35
73.71
Indicador econômico
55
50.38
Indicador legislativo
42
78.40
Indicador social
58
77.50
Indicador de segurança
58
75.14
Ranking 2021
75/180
Nota: 70.39
N/A
Estes indicadores não estão disponíveis antes de 2022 em função de uma mudança metodológica

A lei garante a liberdade de imprensa em Serra Leoa. Embora a diversidade do cenário midiático seja muito real, os jornalistas às vezes estão sujeitos a prisões e detenções arbitrárias.

Cenário midiático

O panorama midiático é plural e geralmente independente.  No final de 2021, era composto por 191 estações de rádio, 23 canais de televisão, 229 jornais, 24 revistas e 11 televisões digitais por satélite.  Junto com a emissora estatal SLBC, os meios privados mais importantes são o canal de televisão AYV-TV, a rádio Democracy, os jornais Awoko, Standard Times Newspapers e NewsWatch Magazine. As rádios comunitárias cobrem uma parte considerável do território nacional e permanecem acessíveis a grande parte da população. Com excepção dos prestadores de serviços de televisão via satélite (DSTV) e televisão digital (DTV), o acesso ao conteúdo dos jornais online e programas de rádio e televisão é gratuito.

Contexto político

A maior parte da mídia está fora do controle direto de políticos que, por lei, só podem estabelecer jornais, não estações de rádio e televisão. Apesar disso, os meios de comunicação continuam sujeitos à sua influência devido à falta de recursos e sobretudo à baixa capacidade de gestão da maioria dos seus promotores.

Quadro jurídico

Em 2020, o dispositivo que criminalizava a difamação na Lei de Ordem Pública de 1965 foi revogado. O estabelecimento e regulamentação da mídia é assegurado pela Comissão Independente de Mídia (IMC), uma organização independente do governo e do controle político. O alcance da lei foi revisto para que não sejam reconhecidos os meios de comunicação, em especial aqueles online que apelam grandemente ao sensacionalismo no tratamento da informação.

Contexto económico

A maior parte da mídia está concentrada na capital, Freetown.  A maioria dos jornalistas não recebe um salário razoável e não possui os equipamentos necessários para trabalhar adequadamente - situação da qual se aproveitam os políticos, capazes de influenciar o conteúdo editorial em troca de apoio financeiro, material ou logístico. Geralmente, os meios de comunicação sobrevivem da receita publicitária, sendo que o mercado é muito restrito. O governo, principal anunciante, acumula grande atraso no pagamento das contas de publicidade.

Segurança

A mídia opera em um ambiente relativamente seguro. No entanto, os jornalistas não estão imunes a perseguições, prisão e detenções arbitrárias por parte da polícia, que pode confiscar os seus equipamentos. A principal ameaça à segurança dos jornalistas continua sendo a ação de políticos que, muitas vezes, dificultam seu trabalho ou tentam controlá-los usando os serviços da polícia.

Ataques em tempo real em Serra Leoa

Assassinados a partir de 1o de janeiro 2022
0 jornalistas
0 colaboradores de meios
0
Presos atualmente
0 jornalistas
0 colaboradores de meios
0