Quem somos?

Missão / Valores

A Repórteres Sem Fronteiras (RSF) defende o direito de todo ser humano de ter acesso a informações livres e confiáveis. Esse direito é essencial para conhecer, compreender, opinar e agir com plena consciência, individual e coletivamente.  

Nossa missão? Atuar pela liberdade, o pluralismo e a independência do jornalismo e defender aqueles que encarnam esses ideais.

Nosso mandato está de acordo com o espírito do artigo 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos e as principais declarações e cartas relativas à ética jornalística, em particular a Carta de Munique. 

A RSF aplica os seguintes princípios:

  • Respeito mútuo, senso de diálogo, não discriminação, espírito coletivo de trabalho, preocupação com a realização profissional e pessoal, direito de alerta, respeito ao meio ambiente.
  • A transparência dos processos decisórios e contábeis, a rejeição à corrupção e aos conflitos de interesse.

Definimos nossos objetivos estratégicos com total independência e não aceitamos qualquer doação financeira, em habilidades ou em espécie, que possa influenciar nossas escolhas estratégicas e operacionais.

A RSF é...

A Repórteres Sem Fronteiras (RSF) é uma organização internacional sem fins lucrativos regida por princípios de governança democrática. Não somos um sindicato profissional nem um representante de empresas de imprensa. 

Fundada em 1985 em Montpellier por quatro jornalistas, a RSF está na vanguarda da defesa e promoção da liberdade de informação. Reconhecida como de utilidade pública na França desde 1995, a RSF tem status consultivo junto às Nações Unidas, UNESCO, Conselho da Europa e Organização Internacional da Francofonia (OIF).  

A RSF é:

  • 115 correspondentes em todo o mundo,
  • 6 seções (Alemanha, Áustria, Espanha, Finlândia, Suécia, Suíça),
  • 1 sede internacional (Paris),
  • 7 escritórios (Londres, Bruxelas, Túnis, Washington DC, Rio de Janeiro, Dakar, Taipei).

Nossa atuação

A Repórteres Sem Fronteiras (RSF) atua em todos os lugares, desde o escritório do Secretário-Geral das Nações Unidas até os vales do Afeganistão. Nosso campo de atuação abrange vários modos de ação: intervenções em campo, defesa e grandes iniciativas para mover as estruturas do direito internacional. 

Nossa atuação em pontos chave:

  • Informamos sobre a situação da liberdade de imprensa em todo o mundo informando, todos os dias em 5 idiomas, sobre os abusos cometidos contra jornalistas e sobre todas as formas de censura. Estabelecido anualmente, o Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa mede o estado da liberdade de imprensa em 180 países.

Descubra o ranking

  • Realizamos múltiplas iniciativas para obter o desbloqueio de sites censurados, apoiar a mídia online e oferecer garantias de liberdade de opinião e expressão no espaço global de informação e comunicação.
  • Sensibilizamos os cidadãos e líderes por meio de operações de “impacto” como parte de nossas principais campanhas de mobilização.
  • Apelamos aos governos, organizações internacionais e tomadores de decisão para que denunciem qualquer ataque à liberdade de informação. Formulamos recomendações jurídicas aos Estados e atuamos em prol da adoção de normas mais protetoras.
  • Oferecemos seguros a jornalistas em missão em áreas de alto risco e emprestamos capacetes e coletes à prova de balas. Nós os auxiliamos com ações na justiça quando são vítimas de abusos e auxiliamos com os pedidos de asilo de repórteres forçados a fugir.
  • Treinamos os jornalistas quanto à sua segurança física e digital e apoiamos as organizações locais que defendem a liberdade de informação, para aumentar a sua influência e as suas capacidades de intervenção.

Nossas realizações

Ao longo de sua existência, a Repórteres Sem Fronteiras (RSF) se destacou em todas as frentes: ajudando a libertar ou evacuar jornalistas presos, desbloqueando sites censurados... Também estamos por trás de campanhas midiáticas de impacto.  

Essas realizações marcaram a história da RSF:

  • O lançamento de campanhas com repercussão internacional, como o apelo ao boicote aos Jogos Olímpicos de Pequim em 2008.
  • Sami al-Haj, Hervé Ghesquière, Stéphane Taponier ou ainda Joff Wolf: esses grandes nomes do jornalismo foram libertados após a mobilização da RSF,
  • Avanços significativos no direito internacional, como a Parceria para a Informação e a Democracia, que hoje conta com 43 Estados signatários,
  • Assistência a mais de 12 mil jornalistas atuando em campo nos últimos cinco anos,
  • Protocolos e indicadores concretos de informação credível e fiável num contexto tecnológico onde proliferam conteúdos manipulativos.
Publié le 22.01.2016