África
Tanzânia
-
Ranking 2022
123/180
Nota: 48,28
Indicador político
135
43.88
Indicador econômico
136
32.65
Indicador legislativo
143
45.09
Indicador social
122
59.20
Indicador de segurança
105
60.56
Ranking 2021
124/180
Nota: 59,31
N/A
Estes indicadores não estão disponíveis antes de 2022 em função de uma mudança metodológica

Após a morte repentina do presidente John Magufuli, que vinha se tornando cada vez mais autoritário e repressivo em relação à mídia, a chegada ao poder de Samia Suluhu Hassan, em março de 2021, deixou entrever sinais de esperança que, no entanto, ainda não se concretizaram.

Cenário midiático

Com 257 jornais, 200 estações de rádio, 46 canais de televisão, 474 canais de TV online e uma centena de sites de notícias no início de 2022, a Tanzânia apresenta um cenário midiático rico e dinâmico. Canais do YouTube como Ayo TV e Global TV são cada vez mais populares, mas tendem a privilegiar o entretenimento em detrimento da informação independente e de qualidade.

Contexto político

Muitos meios de comunicação são de propriedade de políticos ou influenciados por eles. Isso resulta em uma cobertura tendenciosa, o que afeta a independência editorial. Durante a campanha presidencial de 2015, as despesas de viagem de quase todos os jornalistas foram cobertas por partidos políticos. O acesso a informações de interesse público é sistematicamente bloqueado pelo governo quando se trata de assuntos de segurança ou desenvolvimento.

Quadro jurídico

A Lei de Mídia de 2016 criminaliza a difamação e dá ao governo o poder de suspender um jornal. A Lei de Segurança Nacional, por sua vez, permite que as autoridades tomem medidas contra qualquer artigo relacionado a informações sigilosas. A publicação de estatísticas não oficiais também é punível com multas e prisão. Desde o início da pandemia de 2020, a publicação de informações “relacionadas a uma doença fatal” e a divulgação de conteúdo por mídia estrangeira sem a aprovação das autoridades estão proibidas. As promessas do novo governo de modificar esse arcabouço legal repressivo e liberticida demoram a se concretizar.

Contexto económico

Os salários dos jornalistas são baixos e seus empregos, precários. Por outro lado, o governo desempenha um papel importante na economia dos meios de comunicação. As receitas da publicidade estatal costumam representar entre 40% e 80% do orçamento dos jornais privados, e aqueles que se desviam da linha do governo veem esses recursos desaparecerem de imediato. Em fevereiro de 2022, no entanto, o ministro da Informação anunciou que o governo passaria a alocar sua publicidade de forma mais justa.  

Contexto sociocultural

A cultura do silêncio, muito presente na Tanzânia, impede a realização de reportagens de interesse público, e a crise do coronavírus apenas reforçou esse clima. O então presidente Magufuli decidiu parar de divulgar informações sobre a contaminação no país, ao mesmo tempo em que evocava abertamente em seus discursos a teoria de uma “conspiração do Ocidente”.

Segurança

Os meios de comunicação que criticam as autoridades correm o risco de serem suspensos – cerca de vinte o foram desde 2015 – e os jornalistas, de serem presos. Em 2021, um cartunista foi detido arbitrariamente por duas semanas por causa de uma charge que mostrava a presidente sob influência de um ex-chefe de Estado. Em 2019, o jornalista investigativo Erick Kabendera passou sete meses na prisão depois de escrever artigos críticos sobre a economia, a governança e a corrupção no país. O jornalista Azory Gwanda, que investigava assassinatos suspeitos de funcionários locais, está desaparecido desde novembro de 2017, e as autoridades não demonstram nenhuma preocupação com seu caso.

Ataques em tempo real em Tanzânia

Assassinados a partir de 1o de janeiro 2022
0 jornalistas
0 colaboradores de meios
0
Presos atualmente
0 jornalistas
0 colaboradores de meios
0