Ranking 2022
91/180
Nota: 59,12
Indicador político
95
54.95
Indicador econômico
150
30.10
Indicador legislativo
76
68.71
Indicador social
97
66.83
Indicador de segurança
60
75.02
Ranking 2021
112/180
Nota: 62,71
N/A
Estes indicadores não estão disponíveis antes de 2022 em função de uma mudança metodológica

A liberdade de imprensa é frágil e instável naquele que é um dos países mais pobres e corruptos da União Europeia. Os poucos meios de comunicação independentes que ainda se fazem ouvir na Bulgária estão sob pressão constante.

Cenário midiático

Os canais de televisão (BNT, bTV, Nova, etc.) e a mídia online são as duas principais fontes de informação em um país onde a imprensa de papel está perdendo gradualmente sua influência. A filiação política dos membros do Conselho de Imprensa Eletrônica enfraquece a independência editorial da mídia pública, enquanto a independência da mídia privada é ameaçada pelos interesses de seus proprietários em outros setores regulados. Em 2019, o escritório da Radio Free Europe, em Sofia, reabriu.

Contexto político

As intimidações por parte de políticos, mas também as pressões administrativas e jurídicas contra jornalistas e editores são comuns na Bulgária. O país passou por uma série de eleições antecipadas em 2021, após quase 12 anos de governo ininterrupto do primeiro-ministro Boyko Borissov, marcado pelo declínio da liberdade de imprensa e pela instrumentalização de certos meios de comunicação para fins políticos.

Quadro jurídico

O arcabouço legislativo geral do país prevê normas mínimas para a proteção dos jornalistas, em conformidade com os requisitos da Convenção Europeia dos Direitos Humanos e a jurisprudência do Tribunal de Estrasburgo. Ao mesmo tempo, a corrupção, a falta de independência e a fraca eficiência do sistema judicial contribuem para tornar o Estado muitas vezes impotente diante das violações da liberdade de imprensa.  A mídia independente e os jornalistas investigativos são regularmente vítimas de processos abusivos, mais conhecidos como "processos mordaça".

Contexto económico

A mídia é quase inteiramente dependente da receita publicitária, que é amplamente controlada pelo Estado. A distribuição de fundos públicos nacionais e europeus é opaca, o que favorece uma distribuição partidária a favor de meios de comunicação com uma linha editorial favorável ao governo. 

Contexto sociocultural

Jornalistas investigativos que cobrem temas relacionados ao crime organizado e à corrupção são frequentemente ameaçados. Além disso, a mídia especializada em questões minoritárias ou financiada por fundações sediadas nos Estados Unidos e na Europa Ocidental enfrenta regularmente um ambiente hostil e campanhas de ódio.

Segurança

As ameaças e agressões físicas contra jornalistas búlgaros constituem um problema estrutural e as autoridades mostram uma clara falta de vontade quando se trata de investigar e punir tais abusos. Jornalistas que trabalham fora da capital estão ainda mais expostos a esse tipo de ameaça.