África
Malaui
-
Ranking 2022
80/180
Nota: 61.40
Indicador político
90
55.76
Indicador econômico
110
38.44
Indicador legislativo
43
78.07
Indicador social
93
67.67
Indicador de segurança
89
67.08
Ranking 2021
62/180
Nota: 71.20
N/A
Estes indicadores não estão disponíveis antes de 2022 em função de uma mudança metodológica

A influência política sobre os meios de comunicação dificulta o livre exercício do jornalismo no Malaui. Repórteres continuam a enfrentar ameaças e assédio cibernético.

Cenário midiático

Em meados da década de 1990, teve início uma nova era para a liberdade de imprensa no Malaui, com o surgimento de jornais e estações de rádio independentes. A maior parte das pessoas tem acesso às notícias por meio da emissora de rádio pública, a Malawi Broadcasting Corporation (MBC).  Embora o país tenha cerca de dez jornais independentes, a maioria das publicações não é facilmente acessível ao público geral, devido ao preço e ao idioma de publicação, o inglês, que não é dominado pela população como um todo. Existem vários canais de televisão, mas apenas o canal público Malawi TV é transmitido para todo o país.

Contexto político

O Estado tem alguma influência sobre a mídia. Em 2018, um grupo de imprensa precisou se desculpar depois que o partido no poder o acusou de divulgar informações favoráveis a outro partido político. Muitos políticos possuem estações de rádio “privadas”, como a Zodiak Broadcasting Station, que pertence ao atual Ministro da Informação. Por fim, é o presidente quem nomeia os membros do conselho de administração da MBC.

Quadro jurídico

A liberdade de expressão está consagrada na Constituição, e a entrada em vigor da Lei de Acesso à Informação, em setembro de 2020, representou um grande avanço para a liberdade de imprensa. Contudo, o arcabouço legislativo ainda prevê penas de prisão por ofensa ao chefe de Estado, ao passo que a lei de segurança cibernética de 2016 prevê penas de prisão pela divulgação de mensagens “ofensivas”. Outras leis dificultam o trabalho dos jornalistas, como a lei de locais protegidos, que dificulta o acesso a determinadas áreas. A criação da Autoridade Reguladora das Comunicações do Malaui foi um sinal encorajador, assim como uma decisão de 2021 do Supremo Tribunal do Malaui, que rejeitou o pedido de censura de um empresário a dois jornais diários após revelações sobre casos de corrupção nos quais ele estaria envolvido.

Contexto económico

A maioria dos meios de comunicação opera com orçamentos muito restritos, o que prejudica sua independência. Sua sobrevivência financeira muitas vezes depende do apoio político que oferecem em troca de recursos. A prática de chimpondamthengo, nome dado à remuneração simbólica oferecida aos médicos tradicionais, e que consiste em pagar a um jornalista em troca da cobertura de um evento, é generalizada.

Contexto sociocultural

Grupos religiosos exercem alguma influência sobre a mídia e usam rádios comunitárias, como a Radio Maria e a Radio Islam, para promover sua fé.

Segurança

O Malaui ainda não promulgou uma lei de proteção de denunciantes, e os jornalistas malauianos às vezes são alvo de ameaças e intimidações online. Vários casos de agressão, cometida sobretudo por membros de partidos políticos ou policiais, foram registrados nos últimos anos. Vez ou outra, os jornalistas ainda estão sujeitos a prisões arbitrárias, como foi o caso do repórter do site de notícias Nyasa Times, interrogado pela polícia em abril de 2021 após veicular uma reportagem crítica ao presidente.

Ataques em tempo real no Malaui

Assassinados a partir de 1o de janeiro 2022
0 jornalistas
0 colaboradores de meios
0
Presos atualmente
0 jornalistas
0 colaboradores de meios
0