Europa - Ásia Central
Chipre do Norte
-
Ranking 2022
81/180
Nota: 61,08
Indicador político
87
56.48
Indicador econômico
108
38.78
Indicador legislativo
68
69.82
Indicador social
120
60.20
Indicador de segurança
46
80.14
Ranking 2021
76/180
Nota: 70,18
N/A
Estes indicadores não estão disponíveis antes de 2022 em função de uma mudança metodológica

A legislação nacional protege a liberdade de imprensa, mas ao mesmo tempo permite limitá-la para preservar a ordem pública, a segurança nacional ou a decência pública. A propriedade da mídia é um problema, e a crescente influência da Turquia no setor está minando a liberdade de imprensa.

Cenário midiático

Existem 13 jornais (Kıbrıs, Yenidüzen, África, etc.), oito canais de televisão, cinco estações de rádio e quatro meios de comunicação apenas online no Chipre do Norte. A maioria dos proprietários de mídia são empresários com outros interesses financeiros. Embora o pluralismo seja respeitado e os jornalistas possam criticar as autoridades cipriotas turcas, a pressão de Ancara aumenta quando se trata da Turquia e da sua política em relação a Chipre.

Contexto político

A crescente influência da Turquia tem um impacto negativo na liberdade de imprensa e na liberdade de expressão. Ações judiciais são movidas contra repórteres que criticam o governo turco, e a interferência direta no conteúdo editorial não é incomum. A autocensura é uma realidade, enquanto as relações informais, próximas e às vezes financeiras entre políticos e proprietários de mídia afetam a independência do conteúdo editorial. 

Quadro jurídico

A legislação protege a liberdade de imprensa ao mesmo tempo em que a limita para proteger a ordem pública, a segurança nacional ou mesmo a decência pública. A difamação é definida como crime, e uma Lei de Crimes Informáticos com disposições vagas sobre "publicações ilegais" e "atividades terroristas" pode ser vista como uma ameaça à liberdade de imprensa. Não há lei de proteção das fontes.

Contexto económico

A mídia foi duramente atingida pela crise econômica causada pela pandemia de Covid-19, e sua dependência de publicidade e patrocínios aumentou a influência comercial sobre o conteúdo editorial - situação que forçou sobretudo o jornal Havadis a ser, a partir de agora, apenas acessível online. Devido a esse clima de insegurança econômica, muitos jornalistas precisam exercer atividades de relações públicas para instituições ou pessoas privadas ou públicas, o que afeta a sua objetividade.

Segurança

Embora não tenha havido ameaças ou agressões físicas graves, vários jornalistas foram alvo de agressões verbais ou campanhas de assédio cuja origem pode ser de funcionários do governo. Os repórteres também são frequentemente vítimas de assédio online.

Ataques em tempo real no Chipre do Norte

Assassinados a partir de 1o de janeiro 2022
0 jornalistas
0 colaboradores de meios
0
Presos atualmente
0 jornalistas
0 colaboradores de meios
0