Ranking 2022
27/180
Nota: 78.37
Indicador político
41
71.44
Indicador econômico
22
67.98
Indicador legislativo
26
82.02
Indicador social
26
86.38
Indicador de segurança
34
84.01
Ranking 2021
35/180
Nota: 76.98
N/A
Estes indicadores não estão disponíveis antes de 2022 em função de uma mudança metodológica

As autoridades estão tentando melhorar a liberdade de imprensa e buscar justiça após o assassinato de um jornalista investigativo em 2018, Jan Kuciak , mas o progresso nesta área é lento e os jornalistas atuam em um clima hostil. A mídia pública e privada continua vulnerável a interesses fora do setor.

Cenário midiático

O meio mais influente é o canal privado TV Markiza, cuja independência foi preservada, apesar de ter mudado de proprietário em 2020.  A rede de radiodifusão pública RTVS manteve uma forte posição de mercado apesar de sua vulnerabilidade a interesses fora de sua missão de serviço público, o que levou à saída de muitos jornalistas nos últimos cinco anos. O país tem uma forte tradição de jornalismo investigativo, praticado por diversos jornais e veículos online.

Contexto político

Os atuais planos ambiciosos do governo para melhorar a liberdade de imprensa e a independência da mídia - após o choque criado em 2018 pelo assassinato do jornalista investigativo Jan Kuciak - estão se materializando muito lentamente em algumas medidas específicas devido a conflitos internos da maioria dominante. Embora os ataques de membros do governo à mídia tenham diminuído, a oposição, e em particular o ex-primeiro-ministro Robert Fico, chegou ao ponto de lançar acusações infundadas para criminalizar jornalistas investigativos.

Quadro jurídico

Os jornalistas eslovacos tradicionalmente se beneficiam de uma forte lei de liberdade de expressão e de uma jurisprudência que defende seus direitos. Após assumir o poder em 2020, o atual governo prometeu novos dispositivos legais para melhorar a proteção dos jornalistas e suas fontes, fortalecer a independência editorial e financeira da emissora pública, aumentar a transparência da propriedade da mídia e seu financiamento e reduzir as penas de prisão por difamação. Sua adoção, no entanto, está pendente.

Contexto económico

A independência editorial da grande mídia está comprometida: vários veículos privados estão de fato nas mãos de um punhado de oligarcas, e a emissora pública RTVS depende do financiamento ad hoc do governo por causa da insuficiência dos royalties do audiovisual. Ao mesmo tempo, alguns dos veículos privados menores estão crescendo graças ao apoio de seus públicos e ao modelo de assinatura digital. No entanto, a estreiteza do mercado e a ascensão das plataformas digitais tornam o financiamento da informação de qualidade um grande desafio.

Contexto sociocultural

Embora a sociedade eslovaca seja amplamente conservadora, a mídia é, em sua maioria, de inclinação liberal, o que causa tensão. Jornalistas, especialmente mulheres, enfrentam críticas e às vezes ataques online por cobrirem temas relacionados a gênero ou assédio sexual. Encorajados por ataques verbais de alguns líderes da oposição, os opositores das medidas governamentais de combate à pandemia ou à corrupção têm insultado ou assediado jornalistas durante manifestações e nas redes sociais. A atmosfera hostil contrasta com o amplo apoio da população aos jornalistas após o assassinato de Jan Kuciak.

Segurança

O assassinato em 2018 do jornalista investigativo Jan Kuciak e sua noiva Martina Kusnirova foi um trágico ponto de inflexão. Embora dois dos autores do crime e um intermediário tenham sido condenados, o julgamento contra o suposto mandante, Marian Kocner, e seu cúmplice ainda está em andamento. A vigilância ilegal de Jan Kuciak e outros 30 jornalistas antes da tragédia também não foi resolvida. Além dos frequentes ataques online, os jornalistas eslovacos têm sido alvo de violência física durante os protestos contra as restrições relacionadas à Covid-19.