Ranking 2022
54/180
Nota: 68.54
Indicador político
78
59.32
Indicador econômico
65
47.70
Indicador legislativo
39
79.11
Indicador social
50
79.94
Indicador de segurança
56
76.61
Ranking 2021
36/180
Nota: 76.90
N/A
Estes indicadores não estão disponíveis antes de 2022 em função de uma mudança metodológica

​​O clima de hostilidade contra jornalistas criado pelo primeiro-ministro Janez Jansa se traduziu em ataques físicos e online. Embora o arcabouço jurídico que protege a liberdade de imprensa permaneça robusto, os meios de comunicação estão sujeitos a pressões políticas e processos mordaça.

Cenário midiático

Apesar de seu pequeno tamanho, o mercado de mídia é diversificado na Eslovênia. O segmento de TV e rádio inclui a influente emissora pública RTV Slovenija e emissoras privadas, como a TV POP. O segmento de jornais online inclui títulos tradicionais como Delo e Vecer, mas também sites mais recentes como Necenzurirano. A mídia sob controle direto de um partido representa uma pequena parcela do mercado.

Contexto político

Ainda que a mídia pública já tenha sido alvo de pressão política no passado, isso aumentou consideravelmente desde o retorno ao poder em 2020 do primeiro-ministro Janez Jansa, acostumado a insultar jornalistas considerados críticos demais. O governo suspendeu arbitrariamente por vários meses o financiamento da agência nacional de notícias, STA, e nomeou pessoas próximas ao governo nos órgãos de administração e fiscalização da RTV Slovenija.  

Quadro jurídico

A liberdade de imprensa é protegida por um sólido arcabouço jurídico. No entanto, a difamação ainda não está descriminalizada, o que permite que os políticos abram processos mordaça (SLAPPs) contra a mídia. Alguns meios de comunicação também sofreram pressão jurídica para revelar suas fontes. Durante a pandemia de Covid-19, jornalistas críticos do governo reclamaram do acesso discriminatório à informação pública. 

Contexto económico

Embora a publicidade privada e a monetização de conteúdo representem parcelas significativas da receita da mídia, seu financiamento é prejudicado pela distribuição opaca da publicidade estatal.  Além disso, os meios de comunicação controlados por pessoas próximas ao Partido Democrático Esloveno (SDS) - partido do primeiro-ministro Janez Jansa - se beneficiaram do investimento de oligarcas húngaros leais ao primeiro-ministro Viktor Orban.  A falta de transparência na propriedade da mídia, um legado da privatização pouco regulamentada, ameaça a independência de algumas redações. 

Contexto sociocultural

Jornalistas que investigam casos de corrupção ou a gestão da pandemia de Covid-19 foram alvo de assédio online por apoiadores do primeiro-ministro Janez Jansa. Mulheres jornalistas têm sido ameaçadas de maneira espacialmente violenta. Por outro lado, a sociedade se solidarizou com os jornalistas pressionados ao contribuir maciçamente com a vaquinha para a agência nacional de imprensa, STA, após a suspensão de seu financiamento pelo governo.

Segurança

No contexto da polarização política da sociedade, acentuada pela retórica agressiva do primeiro-ministro Janez Jansa, vários jornalistas - críticos ou não do governo - foram insultados ou agredidos durante as manifestações nos últimos dois anos.