Irã

Irã

Um dos países mais repressivos para os jornalistas

O Irã continua sendo um dos países mais repressivos do mundo para os jornalistas. O controle da informação é implacável. Em 30 anos, entre 1979 e 2019, pelo menos 860 jornalistas e comunicadores foram presos, detidos ou executados pelo governo iraniano. Em um ambiente extremamente controlado pelo regime islâmico, a repressão contra jornalistas e meios de comunicação independentes não dá trégua: as intimidações, as detenções arbitrárias, as condenações decididas após processos injustos conduzidos por tribunais revolucionários fazem parte há 41 anos do cotidiano da imprensa iraniana. Essa repressão à liberdade de informação não se limita às fronteiras do país. Os correspondentes iranianos dos meios de comunicação internacionais também estão sob forte pressão. O regime também não hesita em cortar a Internet completamente por longos períodos para privar a população de informações alternativas, enquanto comunicadores, muito ativos nas redes sociais, encontram-se no centro da luta por uma informação livre no Irã. Apesar de sua resistência, essa imprensa também está lutando para cumprir sua missão de informar, pois o regime faz de tudo para esconder a realidade, incluindo a extensão dos desastres que o país enfrenta. Esse foi especialmente o caso durante as inundações de março de 2019, no caso da destruição do boeing ucraniano no início de 2020 e com relação à epidemia de Coronavírus.

173
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2020

Posição

-3

170 em 2019

Pontuação global

+0.40

64.41 em 2019

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2020
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2020
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2020
Ver o Barômetro