Polônia

Polônia

A ascensão do discurso de ódio

Nada parece ser capaz de parar o governo conservador no poder desde outubro de 2015, determinado a "reconstruir a Polônia" e assim "repolonizar a mídia". A liberdade de imprensa é uma das principais vítimas dessa política. A mídia pública foi oficialmente renomeada como "mídia nacional" e se transformou em programas de propaganda pró-governo. Seus diretores não toleram nem a oposição nem a neutralidade de seus empregados e demitem aqueles que se recusam a se submeter aos seus ditames. A televisão estatal polonesa TVP foi acusada de desempenhar um papel na morte do prefeito de Gdansk, Pawel Adamowicz, em janeiro de 2019, e a área em torno da sede da estação e seus escritórios regionais têm sido palco de protestos regulares exigindo o fim da "propaganda de ódio" no ar. As pressões contra a mídia independente se intensificaram nos últimos meses, agora se assemelhando a um verdadeiro assédio judicial. Na mira do governo está, agora e sempre, o diário Gazeta Wyborcza, agora alvo do presidente do partido, Jaroslav Kaczynski. Para aqueles que clamam por moderação do governo, ele sempre responde com os mesmos argumentos metódicos retirados de uma ideologia que visa erradicar qualquer voz dissidente.

59
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2019

Posição

-1

58 em 2018

Pontuação global

+2.30

26.59 em 2018

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2019
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2019
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2019
Ver o Barômetro