Canadá

Canadá

Campeão internacional da liberdade de imprensa, pode se sair melhor no âmbito nacional

O Canadá mantém seu compromisso em termos de proteção e de implementação da liberdade de imprensa no âmbito internacional. Como líder da Coalizão para a Liberdade dos Meios de Comunicação, grupo de países dedicados à promoção e ao apoio da liberdade de imprensa, assim como à segurança dos profissionais da mídia, o país acolheu, juntamente com Botsuana, a 2a Conferência Mundial para a Liberdade dos Meios de Comunicação, em novembro de 2020. Diante dos desafios permanentes para manter e promover a liberdade de expressão no ambiente digital, o Canadá também tomou a iniciativa de propor ao Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas uma nova resolução para o setor, em 2020, e se comprometeu a contribuir com um milhão de dólares para o Fundo Mundial para a Defesa dos Meios de Comunicação, da Unesco.

Em âmbito nacional, as autoridades canadenses se destacaram pela sua vontade de garantir a liberdade de expressão e da imprensa. O governo reconheceu publicamente que "a liberdade dos meios de comunicação desempenha um papel importante nas sociedades democráticas e permanece essencial para a proteção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais". Ottawa reconhece também que "o público precisa da liberdade dos meios de comunicação para obter informações confiáveis e análises documentadas para fazer com que o governo assuma as suas responsabilidades", o que nunca foi tão verdadeiro quanto em 2020, durante a pandemia de Covid-19.

Entretanto, ainda há avanços a fazer, sobretudo no que diz respeito à cobertura pelos meios de comunicação dos direitos das populações autóctones e dos conflitos fundiários. Em 2019, um tribunal determinou que os jornalistas cobrindo estes temas têm direito a um tratamento específico, o que não impediu que as autoridades movessem processos na justiça contra três jornalistas em 2020. Cabe, assim, aos legisladores e responsáveis políticos manter o balanço positivo do Canadá em termos de liberdades civis e de direitos humanos, o que inclui as proteções estatutárias - também chamadas de "leis escudo"- para as fontes jornalísticas, assim como garantir que os profissionais da mídia possam abordar a situação crítica das comunidades autóctones sem medo de serem processados.

14
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2021

Posição

+2

16 em 2020

Pontuação global

-0.04

15.29 em 2020

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2021
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2021
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2021
Ver o Barômetro