Afeganistão

Afeganistão

O Afeganistão teve em 2018 o ano mais mortífero para jornalistas desde a queda dos Talibans em 2001.

O país foi marcado por vários atentados desde o início do ano. 15 jornalistas e colaboradores da mídia foram mortos, 9 deles em um único dia. Muitos outros são permanentemente ameaçados pelas várias partes do conflito. A guerra imposta pelos Talibans e pelo grupo Estado Islâmico, bem como os abusos dos senhores da guerra ou dos políticos corruptos, tornaram-se ameaças permanentes aos jornalistas, à mídia e à liberdade de imprensa no Afeganistão. Um de seus alvos preferidos, mulheres jornalistas, é particularmente vulnerável em um país onde a propaganda fundamentalista é aplicada em várias regiões do país. À medida que os esforços internacionais para a paz no Afeganistão se intensificam, as preocupações sobre o sacrifício das liberdades fundamentais, incluindo a liberdade de imprensa, aumentaram. Diante das ameaças, o Centro de Proteção aos Jornalistas Afegãos (CPAWJ), apoiado pela RSF, lançou várias campanhas para proteger os direitos das mulheres jornalistas como um pré-requisito para a paz. A experiência dos últimos 17 anos confirmou que a paz e a segurança são as principais demandas do povo afegão, mas que isso não pode ser alcançado e assegurado sem meios de comunicação livres e independentes e sem garantias para a segurança dos jornalistas.

121
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2019

Posição

-3

118 em 2018

Pontuação global

-0.73

37.28 em 2018

  • 3
    Jornalistas assassinados em 2019
  • 1
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2019
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2019
Ver o Barômetro