Afeganistão

Afeganistão

Os jornalistas vítimas da degradação da segurança

O ano de 2017 foi particularmente mortífero para os jornalistas no Afeganistão. Pelo menos 18 jornalistas e colaboradores de meios de comunicação foram mortos, especialmente em ataques coordenados contra os meios de comunicação. Em várias regiões, os Talibãs e os membros do grupo Estado Islâmico semeiam o terror, criando verdadeiros "buracos negros da informação". Em 2017, em várias províncias do país, os Talibãs impuseram aos meios de comunicação impostos arbitrários que se assemelham a resgates. Por sua vez, inúmeros governantes e responsáveis locais não aceitam a independência dos jornalistas e as forças de segurança estão envolvidas em diversos casos de violência contra eles.A degradação da situação de segurança no país tem um impacto direto na presença das mulheres jornalistas nos meios de comunicação. Várias delas foram forçadas a abandonar seu trabalho, devido a ameaças crescentes e ao clima de insegurança que pesa sobre elas. Diante das ameaças, as autoridades afegãs e representantes da imprensa lançaram, de maneira conjunta, comitês de coordenação para a segurança dos jornalistas e dos meios de comunicação. Uma iniciativa interessante e que nutre esperanças que poderia servir de exemplo para vários países da região.

118
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2018

Posição

+2

120 em 2017

Pontuação global

-2.18

39.46 em 2017

  • 13
    Jornalistas assassinados em 2018
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2018
  • 1
    Colaboradores assassinados em 2018
Ver o Barômetro