Imprensa sob pressão no Brasil - RSF analisa ataques online a jornalistas durante as eleições presidenciais

Apresentação

Nos últimos anos, os insultos, as ameaças, as campanhas de descredibilização e outras manifestações de violências contra jornalistas e meios de comunicação se intensificaram, e aparecem cada vez mais normalizados nas falas de políticos, autoridades públicas e de seus seguidores. As redes sociais são usadas como caixas de ressonância para esses ataques, e se tornaram um verdadeiro campo minado para os jornalistas. Essa tendência traz consequências deletérias para o exercício da comunicação e vida pessoal das e dos jornalistas, mas também para a saúde do debate público e do direito à liberdade de imprensa no país.

Durante as eleições (16 de agosto a 30 de outubro), a Repórteres sem Fronteiras (RSF) realiza um monitoramento sistemático das redes sociais, em particular do Twitter, para analisar e decifrar o alcance e os padrões por detrás dessa hostilidade crescente contra o jornalismo. Até o final do segundo turno, 120 jornalistas e comentaristas, além de perfis de autoridades públicas e candidatos às eleições, serão acompanhadas diariamente em parceria com o Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), centro de pesquisa de referência especializado em análise de redes sociais e tendências digitais. 

A RSF vai publicar análises semanais com base nos levantamentos realizados, que serão compilados nesta página. Outros conteúdos, infografias e informações sobre metodologias serão adicionados ao longo do projeto.

Uma análise aprofundada e um monitoramento sistemático dos ataques online contra a imprensa é fundamental para entender melhor o papel do espaço digital no cenário estrutural da violência contra jornalistas e comunicadores no Brasil e pensar em soluções mais efetivas para combater esse fenômeno

Emmanuel Colombié
Diretor regional da RSF para a América Latina

Destaques do primeiro mês do levantamento

  • Ao menos 2,8 milhões (2.865.845) de postagens com conteúdo ofensivo e agressivo contra os jornalistas, incluindo 264 hashtags diferentes usadas nos ataques. Os números representam mais de um ataque por segundo desde o 16 de agosto, quando teve início a campanha eleitoral.
  • Hashtags mais utilizadas no período: #globolixo (mencionada 401.973 vezes); #globolixoderretendo (15.741); #cnnlixo (5.686); #globosta (1.026); #uolixo (876); #bandlixo (531); #folhalixo (481); e #imprensalixo (460).
  • Jornalistas que mais receberam postagens com conteúdos ofensivos no período:  Vera Magalhães (26.706 ataques), Miriam Leitão (3.832), William Bonner (1.650), Andréia Sadi (1.550), Eliane Cantanhêde (1.468), Milton Neves (1.279), Mônica Bergamo (1.198), Ricardo Noblat (891), Reinaldo Azevedo (793) e Renata Vasconcellos (458).
  • Datas marcadas por sabatinas com os candidatos à presidência da República e por debates entre eles/as resultam em períodos de maior virulência contra a imprensa nas redes. O monitoramento da semana de 22 a 28 de agosto constatou um pico de ataques a jornalistas que participaram ou reportaram as entrevistas com os presidenciáveis feitas pelo Jornal Nacional, da Rede Globo. 
  • Vera Magalhães ocupa semanalmente a lista das jornalistas que recebem o maior número de posts ofensivos. Depois de ser atacada pelo presidente Jair Bolsonaro no debate na TV Bandeirantes em 28 de agosto, a hashtag #VeraVergonhadoJornalismo foi compartilhada 10.273 vezes em poucas horas. A expressão “Verba Magalhães”, que faz referência a uma informação falsa sobre o suposto salário que a jornalista receberia na TV Cultura, foi citada 10.816 vezes no Twitter no dia seguinte ao debate. Vera Magalhães hoje ocupa o topo da lista de jornalistas que receberam postagens ofensivas nas redes neste primeiro mês de campanha eleitoral, com 26.706 ataques, e a hashtag #veravergonhadojornalismo é a terceira mais usada, com mais de 10 mil menções em todo o período (até 11 de setembro) 
  • Se considerados os 10 jornalistas mais visados no período e as mensagens a eles direcionadas, 88% dos conteúdos agressivos postados nas redes no período monitorado foram direcionados a mulheres jornalistas (repórteres, comentaristas e apresentadoras). Em geral, essas agressões articulam termos misóginos, ofensas de cunho íntimo e desinformação. 
  • Ao se analisar os termos mais usados nas postagens que visam intimidar jornalistas e descredibilizar o trabalho da imprensa, encontramos adjetivos como “militante”, “vagabunda”, “vaca”, “lixo”, “canalha”, “idiota”, “jornazista”, “ridícula/o”, “bandido”, “velha”, “feia”, “vovô” e “comunista”.
  • Entre os perfis que mais postaram mensagens ofensivas a jornalistas, destacam-se influenciadores como Leandro Ruschel, apoiador do presidente Bolsonaro, e Paulo Figueiredo Filho, comentarista da Jovem Pan, que conseguem grande repercussão em suas postagens. Ao mesmo tempo, há perfis anônimos ou de pessoas com número menor de seguidores, mas que ainda assim apareceram entre os principais agressores em mais de uma semana no mês: @antonioalvespho, @anderson_a_mach e @machadoands. Em comum entre todos esses está o fato de serem fortes defensores de Bolsonaro e de suas ideias e propostas.
  • As postagens que alcançam individualmente um maior número de perfis são as feitas por autoridades e candidatos. A postagem feita pelo presidente Jair Bolsonaro sobre a comentarista e apresentadora da CNN Brasil Gabriela Prioli, no dia 1 de setembro, recebeu mais de 13 mil retuítes e alcançou mais de 13 milhões e 670 mil pessoas.

Análises semanais

Agenda internacional do Presidente e novo debate na TV entre candidatos abrem espaço para ataques à imprensa

Do dia 19 ao 25 de setembro

 

A cobertura política da semana foi marcada pela agenda internacional do Presidente Bolsonaro: em Londres, no dia 19, para o funeral da Rainha Elizabeth II, e em Nova Iorque, no dia 20, para a Assembleia Geral da ONU. Também ganhou destaque o debate entre candidatos à presidência organizado por um pool de veículos e transmitido no SBT no dia 24 de setembro. Boa parte dos conteúdos ofensivos à imprensa registrados durante o período foram direcionados a jornalistas que fizeram a cobertura ou análise desses eventos. 

Nesta semana de 19 a 25 de setembro, a Repórteres sem Fronteiras (RSF) registrou 21.119 postagens com conteúdos ofensivos à imprensa no Twitter. No período analisado, foram identificadas 72 hashtags de ataques a veículos e jornalistas. 

Leia mais

 

Ataques ao Grupo Globo lideram agressões contra a imprensa em mais uma semana

Do dia 12 ao 18 de setembro

 

Os ataques direcionados contra o Grupo Globo seguem mobilizando o ódio contra jornalistas e a imprensa nas redes durante a campanha eleitoral. Também ganhou destaque na semana a repercussão da agressão física sofrida pela jornalista Vera Magalhães no debate entre candidatos ao governo de São Paulo na TV Cultura, em 13 de setembro. O episódio fez com que a jornalista, que também é colunista do jornal O Globo, continuasse no topo da lista entre os profissionais mais atacados. 

A RSF e o LABIC/UFES levantaram 21.216 postagens com termos ofensivos e insultos direcionados à imprensa em geral durante o período. As hashtags que tiveram maior destaque na semana foram #globolixo; #globolixoderretendo; #veramagalhaesvergonhadojornalismo; #cnnlixo; #veravergonhadojornalismo; #folhalixo ; #UOLlixo ; #midialixo e #imprensalixo. E os jornalistas que mais receberam agressões na semana de 12 a 18 de setembro foram Vera Magalhães; Miriam Leitão; Mônica Berga mo; Andréia Sadi; André Trigueiro; Eliane Cantanhêde; e Ricardo Noblat. 

Leia mais

Cobertura dos atos de 7 de setembro mobiliza ataques contra a imprensa

Do dia 4 ao 11 de setembro

 

Na semana de 4 a 11 de setembro, a Repórteres sem Fronteiras (RSF) registrou 33.072 agressões contra a imprensa no Twitter, com base no monitoramento de perfis de 120 jornalistas, assim como de termos ofensivos e hashtags de ataque. O principal evento da semana foram os atos em 7 de setembro, bicentenário da independência do Brasil, quando o Presidente Bolsonaro reuniu apoiadores em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo. A cobertura desses atos e das falas do presidente esteve na origem de parte importante dos ataques mais intensos da semana.

Outro caso que ganhou destaque foi o da jornalista Amanda Klein, apresentadora da RedeTV e comentarista na Jovem Pan. Após ser alvo de falas misóginas do presidente Jair Bolsonaro durante a entrevista para a Jovem Pan, a jornalista passou a sofrer uma série de ataques nas redes sociais, e passou a figurar entre os seis jornalistas mais atacados da semana.  

Leia mais

 

Reportagem investigativa é destaque da cobertura eleitoral e coloca jornalista no radar de agressores

Do dia 29 de agosto ao 4 de setembro

A terceira semana da campanha eleitoral foi marcada pela continuidade de ataques contra a emissora Globo e a apresentadora Vera Magalhães, principais alvos de agressões na semana anterior. A jornalista Juliana Dal Piva, que já havia sido vítima de ofensas e ameaças nas redes, voltou a entrar na mira de agressores após a publicação de uma reportagem investigativa sobre o patrimônio do presidente Jair Bolsonaro, e de sua família. Ao declarar em entrevista à revista Veja que não convidaria o presidente Bolsonaro para a nova temporada de seu programa de entrevistas, a comentarista e apresentadora da CNN Brasil Gabriela Prioli entrou também entrou na mira do candidato à reeleição

Entre os dias 29 de agosto e 4 de setembro, a Repórteres sem Fronteiras (RSF) registrou 33.737 postagens nas redes sociais com termos associados a ataques e intimidações contra o jornalismo. A maior parte dos conteúdos (25.250) foi direcionada a agressões difusas contra a imprensa em geral ou contra veículos de comunicação - e não visando jornalistas específicos.

Leia mais

 

Entrevistas de candidatos no Jornal Nacional e debate presidencial na TV aumentam volume de ataques

Do dia 22 ao 29 de agosto

 

A segunda semana da campanha eleitoral foi marcada por uma explosão de insultos contra jornalistas e meios de comunicação nas redes sociais. As sabatinas com candidatos à presidência no Jornal Nacional mobilizaram centenas de milhares de ataques contra a TV Globo, e uma fala agressiva do presidente Jair Bolsonaro contra a jornalista Vera Magalhães, durante o primeiro debate televisionado com os candidatos, desencadeou uma onda de insultos contra a apresentadora. A Repórteres sem Fronteiras (RSF) alerta para um cenário de crescente hostilidade e deslegitimação da imprensa.

Em parceria com o Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic), a Repórteres sem Fronteiras (RSF) registrou 2.749.125 de tuítes contendo termos associados a ataques contra a imprensa entre os dias 22 e 29 de agosto. No mesmo período foram identificadas 140 hashtags ofensivas ao jornalismo e à mídia em geral, totalizando 937.870 tuítes com menções a ao menos uma delas. A hashtag com maior repercussão foi #GloboLixo, citada 377.007 vezes. 

Leia mais

 

Cobertura da nova presidência do TSE concentra ataques a jornalistas

Do dia 16 ao 22 de agosto

 

O início da campanha eleitoral foi marcado por um aumento no engajamento nos perfis dos jornalistas nas redes sociais e, junto com ele, de ataques contra aqueles que cobrem a agenda política e eleitoral. A RSF registrou 66.809 posts com termos ofensivos à imprensa no período, e 119 hashtags agressivas. As duas mais usadas foram #globolixo e #cnnlixo. Em função das análises que realizou da posse do ministro Alexandre de Moraes no TSE, Miriam Leitão foi a jornalista que recebeu o maior número de postagens ofensivas na semana: 443, trazendo termos como “canalha”, “leitoa”, “vergonha”, “comunista”, "ridícula", “velha” e “feia”.

Leia mais

Mais sobre o projeto

O escritório da Repórteres sem Fronteiras (RSF) para a América Latina lança, com o apoio do Fundo Canadá para Iniciativas Locais (FCIL) no Brasil, um projeto destinado a identificar, analisar, decifrar e denunciar ataques online contra jornalistas e comunicadores/as durante o processo eleitoral. A iniciativa é desenvolvida em parceria com o Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic) da Universidade Federal do Espírito Santo, centro de pesquisa de referência especializado em análise de redes sociais e tendências digitais.

Leia o release de lançamento do projeto.

 

Publié le 25.08.2022