6 meses de guerra na Ucrânia, 8 jornalistas mortos

Evgueni, Brent, Maks, Pierre, Oleksandra, Oksana, Mantas e Frédéric. 8 jornalistas, 2 mulheres e 6 homens. Todos perderam suas vidas durante os primeiros seis meses de invasão das forças russas na Ucrânia. A Repórteres Sem Fronteiras (RSF) retoma as circunstâncias de suas mortes e lembra que matar um jornalista que cobre um conflito constitui um crime de guerra.

Ler em ucraniano / Читати українською
Ler em russo / Читать на русском

Desde a invasão do exército russo na Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022, os jornalistas estão na linha de frente. A Repórteres Sem Fronteiras (RSF) registrou 46 ataques qualificados como crimes de guerra durante os quais mais de uma centena de jornalistas tornaram-se alvos no exercício da sua profissão. Entre eles, 8 jornalistas foram mortos, alguns deliberadamente, pelas forças russas. A RSF apresentou seis queixas junto ao Tribunal Penal Internacional (TPI) e à Procuradoria-Geral da Ucrânia.

  • Evgueni Sakoun, Kyiv Live TV, 49 anos - 01/03/2022

Uma semana após o início do conflito, Evgueni Sakoun, cinegrafista para o canal local ucraniano Kyiv Live TV, morreu em 1º de março de 2022 durante o bombardeio da torre de televisão na capital ucraniana pelo exército russo. Ele foi o primeiro jornalista morto no exercício de suas funções durante o conflito. Nos escombros da torre, seu corpo foi identificado por seu crachá de imprensa. Alguns dias depois, a RSF acionou o Tribunal Penal Internacional após os bombardeios de 4 antenas de televisão sem uso militar. Esses ataques privaram de transmissão 32 canais e várias dezenas de estações de rádio no país.

  • Brent Renaud, documentarista, 50 anos - 13/03/2022 

Domingo 13 de março, o documentarista americano Brent Renaud foi morto com uma bala na nuca enquanto dirigia seu carro na cidade de Irpin, a noroeste de Kiev. O repórter Juan Arredondo que o acompanhava ficou ferido e foi hospitalizado. Diretor de vários documentários, Brent Renaud cobriu vários conflitos (Afeganistão, Iraque, etc.) antes de ir para a Ucrânia com recursos próprios. O primeiro jornalista estrangeiro a perder a vida no conflito, ele fazia uma reportagem sobre a fuga de civis da região sob o impacto da ofensiva do exército russo na tentativa de tomar a capital ucraniana.

 

  • Maks Levin, fotojornalista, 41 anos - 13/03/2022 

Fotojornalista experiente, Maks Levin cobriu o conflito desde o início da invasão russa da Ucrânia. Jornalista freelance e colaborador regular do site de notícias altamente respeitável na Ucrânia LB.ua e da agência de notícias Reuters, acompanhava tanto aqueles que faziam a guerra, quanto aqueles vitimados por ela. Suas fotos estão na capa da Spiegel, na Alemanha, ou mesmo da Time Magazine e do Wall Street Journal, nos Estados Unidos.  

Maks Levin desapareceu em 13 de março enquanto cobria a invasão da Rússia e os combates com as forças ucranianas na região de Kiev. Seu corpo e o de Oleksiy Tchernychov, seu acompanhante, amigo e soldado, foram encontrados em 1º de abril em uma floresta ao norte de Kiev, perto de Houta-Mejyhirska. Após uma investigação exclusiva conduzida algumas semanas depois pela Repórteres Sem Fronteiras (RSF) na Ucrânia, a organização encontrou na cena do crime uma das balas que atingiram fatalmente o jornalista. As informações e evidências coletadas estabelecem que o jornalista foi friamente executado pelas forças russas.

  • Pierre Zakrzewski e Oleksandra Kouvchinova, Fox News, 55 e 24 - 15/03/2022 

Em 14 de março de 2022, uma equipe da Fox News foi alvo de disparos na cidade de Horenka, não muito longe de Kiev. O repórter de imagem franco-irlandês Pierre Zakrzewski e a jornalista fixer ucraniana Oleksandra Kuvchinova sucumbiram aos ferimentos e sua morte foi confirmada na terça-feira, 15 de março. Jornalista experiente, Pierre Zakrzewski estava acostumado a conflitos. Durante seus trinta anos em campo, este ex-fotógrafo de guerra baseado em Londres viajou para o Iraque, o Afeganistão e a Síria. Oleksandra Kuvchinova, uma jovem jornalista conhecida por sua coragem e profissionalismo, trabalhava como fixer para a Fox News há cerca de um mês. Ela ajudava as equipes do canal a circular pelo país e encontrar fontes para suas reportagens.

  • Oksana Baoulina, O informante, 43 anos - 23/03/2022 

Oksana Baoulina era uma das raras jornalistas russas baseadas na Ucrânia que permaneceram após a invasão de 24 de fevereiro. Naquele dia, ela tuitou: “A guerra não é um erro, a guerra é um crime.” Ex-produtora da fundação russa anticorrupção (FBK) fundada por Alexei Navalny (principal oponente de Vladimir Putin) e classificada como organização extremista por Moscou, ela foi durante vários anos a correspondente em Kiev do The Insider, um veículo investigativo da oposição russa com sede na Letônia. Em 23 de março de 2022, foi morta por um tiro de “drone kamikaze”, segundo sua equipe editorial. Ela fazia uma reportagem sobre os danos causados por um ataque russo anterior em um centro comercial no distrito de Podilsky. Os dois policiais que a acompanhavam ficaram gravemente feridos no ataque. Oksana Baoulina já havia coletado testemunhos, ainda não publicados, de soldados russos capturados pelo exército ucraniano. 

  • Mantas Kvedaravicius, documentarista, 44 anos - 02/04/2022 

Com a eclosão da invasão russa na Ucrânia, Mantas Kvedaravicius retornou a Mariupol, oito anos depois de seu primeiro documentário, Mariupolis (2016). Ele não vai voltar. Em 2 de abril de 2022, o diretor lituano foi encontrado caído de bruços nas ruas da cidade portuária. Seu corpo estava marcado com uma bala na cabeça e outra no peito. Embora as circunstâncias de sua morte ainda não estejam claras, ele havia sido feito prisioneiro pelos russos alguns dias antes de seu corpo ser achado. Em uma mensagem postada no Twitter, a agência de imprensa do Ministério da Defesa ucraniano anunciou sobriamente: “Os ocupantes russos mataram Mantas Kvedaravicius (...) quando ele tentava deixar Mariupol”. Seu corpo foi repatriado alguns dias depois para a Lituânia por sua companheira.

  • Frédéric Leclerc-Imhoff, TV BFM, 32 anos - 30/05/2022 

Em 30 de maio de 2022, Frédéric Leclerc-Imhoff estava em um caminhão humanitário perto de Lyssychansk, no leste da Ucrânia, quando foi fatalmente atingido no pescoço por estilhaços que perfuraram a blindagem do veículo. Juntamente com o colega Maxime Brandstaetter e a fixer ucraniana Oksana Leuta, levemente feridos no ataque, o repórter de imagem (JRI) do canal de notícias francês BFMTV ia cobrir uma operação de evacuação de civis nesta área quando o comboio foi bombardeado. Em uma homenagem vibrante que reuniu várias centenas de pessoas em Paris em 10 de junho, o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire, saudou o “sentido de compromisso profissional e vocação” do jornalista francês “em um momento da história em que os regimes pretendem estabelecer uma ordem mundial da propaganda”.

Image
106/180
Nota: 55,76

Exactions en temps réel

Assassinados a partir de 1o de janeiro 2022
6 jornalistas
2 colaboradores de meios
8
Presos atualmente
0 jornalistas
0 colaboradores de meios
0
Publié le