Djibuti

Djibuti

Uma voz no exílio, ou nada

Assédio judicial, revistas ilegais, violações de dados pessoais, agressões, prisões, condenações a multas exorbitantes que levam à detenção por falta de pagamento... O arsenal repressivo usado contra os jornalistas no Djibuti faz com que reine um verdadeiro terror midiático. Nenhum veículo de comunicação privado ou independente está instalado no território. Os únicos "veículos de comunicação" existentes são usados para fins de propaganda pelo governo de Ismael Omar Guelleh. A lei sobre a liberdade de comunicação de 1992 é, ela mesma, um entrave à liberdade de expressão e ao pluralismo midiático, uma vez que prevê penas de prisão por delitos de imprensa e limites de idade e nacionalidade para criar um veículo de comunicação. A rádio La Voix de Djibouti, que opera de seu exílio em Paris, permenece sendo a única rádio que oferece informações independentes. Seu sinal é regularmente embaralhado e seu site, bloqueado pelas autoridades. Os jornalistas que colaboram com a rádio o fazem, com frequência, de maneira clandestina, para evitar represálias e agressões. Em 2019 e 2020, correspondentes locais desta rádio foram presos seis vezes, agredidos, tiveram suas casas revistadas e suas redes sociais algumas vezes hackeadas na tentativa de identificar suas fontes. Em entrevista a um veículo estrangeiro, o presidente descreveu esses jornalistas como “indivíduos mal alfabetizados” que trabalham para um “site de oposição” - uma teia de mentiras que visa desacreditá-los para mascarar a total falta de liberdade de imprensa no país. As autoridades dizem que não puderam atender ao pedido de licença da estação de rádio para operar porque a comissão que deveria avaliar tais pedidos ainda não foi criada, embora sua criação esteja prevista há quase 30 anos... A proporção da população conectada à internet aumentou nos últimos anos, mas a velocidade de conexão é uma das mais baixas do continente. O governo restringe deliberadamente a internet de alta velocidade para limitar o acesso às redes sociais, que se tornaram um dos únicos espaços de livre expressão e acesso à informação.


176
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2021

Posição

0

176 em 2020

Pontuação global

+1.89

76.73 em 2020

Contatos

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2021
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2021
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2021
Ver o Barômetro