Bahrein

Bahrein

Uma repressão que não enfraquece

Governado com mão de ferro pela família Khalifa, o reino é tristemente célebre pelo número de jornalistas presos - sobretudo fotógrafos e cinegrafistas. O medo de uma queda do regime em 2011 aumentou a repressão e a censura das vozes dissidentes no Bahrein, especialmente após os levantes da oposição xiita na região leste do país. Regularmente acusados de participação em manifestações, de vandalismo ou de apoio ao terrorismo, os jornalistas e jornalistas-cidadãos cumprem penas de prisão que podem chegar à perpetuidade.  São muitos também os que sofrem maus tratos, enquanto outros podem se ver destituídos de sua cidadania.  Desde 2016, os jornalistas locais que trabalham para meios de comunicação internacionais encontram dificuldades para renovar seu registro. Vários deles, mesmo no exílio, são alvos de processos lançados pelas autoridades por "crimes cibernéticos", após publicações em redes sociais críticas à política de Manama. Para os jornalistas estrangeiros, obter um visto é muito complicado.

169
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2020

Posição

-2

167 em 2019

Pontuação global

-1.18

61.31 em 2019

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2021
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2021
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2021
Ver o Barômetro