Três jornalistas sequestrados no sul do México: RSF apela às autoridades para que façam todo o possível para encontrá-los

Com três dias de intervalo, três jornalistas foram sequestrados em dois ataques por homens armados em Taxco, Guerrero: o diretor do El Espectador de Taxco, Marco António Toledo Jaimes e sua família, em 19 de novembro, seguido pelo casal de jornalistas Alberto Sánchez Juárez e Silvia Nayssa Arce Avilés, em 22 de novembro. A Repórteres sem Fronteiras (RSF) apela às autoridades para que façam todo o possível para encontrá-los e levar os responsáveis à justiça.

Na noite de 19 para 20 de novembro, o jornalista Marco António Toledo Jaimes, 59 anos, diretor do semanário El Espectador de Taxco, também colaborador do canal N3 Guerrero e do site de notícias La Crónica, foi sequestrado, junto com sua esposa e filho, por um grupo de homens armados em sua residência em Taxco. Três dias depois, o mesmo município de cerca de 100 mil habitantes, no estado de Guerrero, no sudoeste do México, foi palco de um segundo ataque. No dia 22 de novembro, foi o casal de jornalistas, administradores da página de notícias local no Facebook RedSiete, Alberto Sánchez Juárez e a esposa dele Silvia Nayssa Arce Avilés, que foi sequestrado no meio da rua, no centro da cidade, próximo ao seu escritório, seguindo o mesmo modus operandi. O porta-voz da Procuradoria-Geral do Estado de Guerrero, anunciou a abertura de um inquérito para averiguar o desaparecimento dos jornalistas.

 

"Esses sequestros odiosos e covardes reforçam o clima de terror e insegurança no qual vivem os profissionais da informação no México.
A RSF apela às autoridades para que reajam o mais rapidamente possível. Devem fazer todo o possível para encontrar os três jornalistas e seus familiares,
mas também para dar uma resposta real a essa dramática situação de segurança, especialmente no estado de Guerrero, um dos mais violentos do país para jornalistas."

Artur Romeu
Diretor do escritório da RSF para a América Latina

Em Guerrero, insegurança crônica 

Nenhum dos três jornalistas era coberto pelo mecanismo para a proteção de jornalistas mexicanos – um órgão estatal que implementa medidas de segurança para jornalistas vítimas de ameaças. Porém, segundo informações da RSF, Marco António já havia recebido ameaças ligadas ao exercício de sua profissão. O jornalista, que já tem uma longa carreira, cobre regularmente a corrupção e a política local. 

Em janeiro de 2023, três pessoas foram sequestradas por um grupo armado na região de Tierra Caliente, em Guerrero, devido à sua contribuição em postagens em uma página de notícias local. No dia 3 de julho, o jornalista Alan Castro Abarca foi vítima de um atentado neste mesmo estado. Em 15 de julho, foi o fundador e diretor da mídia online Lo Real de Guerrero, Nelson Matus, que foi assassinado na cidade litorânea de Acapulco, ainda no estado de Guerrero.

Desde 2000, quase 150 jornalistas foram mortos no México, que ocupa a 128ª posição entre 180 países no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa publicado pela RSF.

Image
128/ 180
Nota: 47,98
Publié le