A segunda Cúpula sobre Informação e Democracia se reúne em Nova York em 22 de setembro de 2022

Por ocasião do Dia Internacional da Democracia, o Fórum anuncia a realização da segunda Cúpula do Pacto sobre Informação e Democracia, em nível ministerial, no dia 22 de setembro de 2022, no marco da Assembleia Geral da ONU. Estarão presentes ministros dos estados membros do Pacto sobre Informação e Democracia e personalidades da sociedade civil como Maria Ressa, Prêmio Nobel da Paz 2021.

O Pacto sobre Informação e Democracia, assinado até agora por 45 países, é um marco para a reflexão multilateral sobre a implementação de garantias democráticas no espaço global de comunicação e informação. Após seu lançamento em 2021, durante a Assembleia Geral da ONU, a segunda edição da Cúpula sobre Informação e Democracia reunirá, entre outros, os ministros do Exterior dos Estados do Pacto e representantes da sociedade civil. A Cúpula será aberta pela Ministra do Exterior da França, Catherine Colonna, e pelo presidente do Fórum sobre Informação e Democracia, Christophe Deloire. 

  Novos Estados anunciarão publicamente, durante a Cúpula, que estão se juntando ao Pacto sobre Informação e Democracia. Até o momento, o número de Estados signatários chegou a 45 países (eram 30 no momento do lançamento do Pacto, em setembro de 2019) 

  O projeto do Observatório sobre Informação e Democracia será apresentado por Shoshana Zuboff, autora de A Era do Capitalismo de Vigilância. Professora emérita da Harvard Business School, ela co-preside o grupo precursor do Observatório com Angel Gurría, ex-secretário-geral da OCDE. 

  As recomendações do relatório Para acabar com a infodemia (2020) serão discutidas pelos ministros, após serem apresentadas por Maria Ressa, vencedora do Prêmio Nobel da Paz de 2021, que co-presidiu o grupo de trabalho sobre este tema. Este relatório apresenta 250 recomendações de regulação e autorregulação. 

  A proposta de um New Deal para o jornalismo (2021) será discutida pelos ministros, após ser apresentada por Nighat Dad, vice-presidente do Fórum. Mais especificamente, os Estados serão chamados a apoiar o desenvolvimento da Journalism Trust Initiative (JTI), um mecanismo de autorregulação para a confiabilidade da informação. 

  O Fórum publicará as recomendações do grupo de trabalho sobre regimes de responsabilidade das redes sociais e seus usuários. Este relatório será apresentado aos Estados por Damian Tambini, pesquisador da London School of Economics e co-presidente do respectivo grupo de trabalho. 

  O Fórum anunciará o lançamento do grupo de trabalho sobre pluralismo em algoritmos de indexação e curadoria. 

Ao reunir democracias em torno de recomendações e soluções concretas, a Cúpula permitirá uma melhor coordenação de esforços para a construção de um espaço digital democrático. 

  

Sobre a Iniciativa Internacional sobre Informação e Democracia 

Lançada pela Repórteres sem Fronteiras (RSF) em 2018, a Iniciativa Internacional sobre Informação e Democracia visa implementar garantias democráticas no espaço de informação e comunicação. 

Em menos de quatro anos, a iniciativa permitiu: 

-   A publicação, em 2018, da Declaração sobre Informação e Democracia por uma comissão composta por vários ganhadores do Prêmio Nobel, jornalistas e especialistas em novas tecnologias;

-   A apresentação dessas orientações e propostas nos principais fóruns internacionais, incluindo o G7 de Chefes de Estado e de Governo em Biarritz (França), em 2019, e mais recentemente o G7 Mídia em Bonn (Alemanha);

-   No âmbito da Assembleia Geral da ONU de 2019, a assinatura do Pacto Internacional sobre Informação e Democracia, que congrega atualmente 45 países de todo o mundo em torno de princípios comuns;

-   A criação do órgão de implementação do Pacto, o Fórum sobre Informação e Democracia, composto por 12 organizações da sociedade civil e centros de pesquisa;

-   A produção de 350 recomendações apresentadas nos documentos Para acabar com a infodemia (2020) e Um New Deal para o jornalismo (2021), dirigidas aos Estados, amplamente incluídas em projetos de legislação europeia;

-   A formação de uma coalizão internacional de 43 organizações acadêmicas e da sociedade civil para promover princípios democráticos para o espaço digital;

-   A organização de cúpulas anuais que reúnem ministros e representantes da sociedade civil e do mundo acadêmico dos Estados que integram o Pacto, numa lógica de multilateralismo das democracias.

 

Contato: Pauline Adès-Mevel +33 (0)7 82 37 23 12

Publié le 23.09.2022