Ucrânia

Ucrânia

Na encruzilhada

A paisagem midiática é diversificada e, desde a revolução de 2014, as autoridades ucranianas aprovaram várias reformas há muito aguardadas, como a transparência da propriedade dos meios de comunicação. Mas como mostra o subfinanciamento da nova televisão estatal independente, essas conquistas são precárias. Será preciso fazer mais para afrouxar o controle dos oligarcas sobre os grandes meios de comunicação, favorecer a independência das redações e lutar contra a impunidade. A "guerra de informação" com a Rússia mantém um clima deletério: proibição da mídia e redes sociais russas, controle de jornalistas estrangeiros, processos por "alta traição"... A mudança de poder e as esperanças despertadas pela eleição de Volodymyr Zelensky como chefe de Estado até agora não reduziram as ameaças e as agressões contra os jornalistas. O jornalista investigativo Vadym Komarov foi espancado até a morte em pleno centro da cidade de Cherkassy, a sudeste de Kiev. O acesso à informação, as manipulações, as violações do segredo das fontes, os ataques cibernéticos ou até os excessos na luta contra a desinformação, com um projeto de lei preocupante para a liberdade de imprensa, continuam sendo as principais preocupações. O leste do país, controlado pelos separatistas, ainda é uma terra sem lei, sem jornalistas críticos nem observadores estrangeiros.

96
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2020

Posição

+6

102 em 2019

Pontuação global

+0.06

32.46 em 2019

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2020
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2020
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2020
Ver o Barômetro