Togo

Togo

Um ambiente midiático altamente dependente do contexto político

Com 171 jornais, 74 estações de rádio e 10 canais de televisão, o Togo tem um horizonte midiático abundante, mas a mídia estatal ainda está lutando para fornecer verdadeiras informações de serviço público. A descriminalização dos delitos de imprensa foi instaurada desde 2004 e as organizações de jornalistas profissionais têm uma forte capacidade de mobilização para defender a imprensa quando é atacada. A situação da liberdade de imprensa, no entanto, é altamente dependente do contexto político. Durante períodos eleitorais, a autocensura continua sendo a ordem do dia para os jornalistas que preferem evitar lidar com temas tabus como a corrupção, o exército, o presidente e sua família. Desde as grandes manifestações de 2017 contra a permanência no poder do presidente Faure Gnassingbe, à margem das quais as autoridades endureceram o tom contra a mídia, retirando o credenciamento do correspondente da France 24 e da TV5 Monde e cortando a internet por vários dias, a situação se acalmou um pouco e o número de abusos contra jornalistas está em forte baixa. Mas o país não saiu da crise política e a principal coalizão de oposição boicotou as eleições legislativas em dezembro de 2018. A profissionalização do setor, a proteção de fontes e jornalistas - especialmente durante eventos - e o acesso a mais recursos financeiros para assegurar a viabilidade econômica dos meios de comunicação são as principais questões do futuro código de imprensa atualmente sob consideração.

76
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2019

Posição

+10

86 em 2018

Pontuação global

-0.54

30.23 em 2018

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2019
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2019
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2019
Ver o Barômetro