Togo

Togo

Um ambiente midiático altamente dependente do contexto político

Com 171 títulos, 74 estações de rádio e 10 canais de televisão, o Togo tem uma paisagem midiática diversificada, mas a mídia estatal ainda tem dificuldade em fornecer informações verdadeiramente de interesse público. A descriminalização dos delitos de imprensa foi instaurada desde 2004 e as organizações de jornalistas profissionais têm uma forte capacidade de mobilização para defender a imprensa quando esta é atacada. A situação da liberdade de imprensa, no entanto, é altamente dependente do contexto político. Durante períodos eleitorais, a autocensura continua sendo a ordem do dia para os jornalistas, que preferem evitar lidar com temas tabus como a corrupção, o exército, o presidente e sua família. Desde as grandes manifestações de 2017 contra a continuação no poder do presidente Faure Gnassingbe, no contexto das quais as autoridades endureceram o tom contra a mídia, retirando o credenciamento do correspondente da France 24 e da TV5 Monde e cortando a internet por vários dias, a situação se acalmou um pouco e o número de abusos contra jornalistas está em forte baixa. Durante a eleição presidencial de 22 de fevereiro de 2020, a conexão à Internet foi interrompida no momento da compilação dos resultados. A profissionalização do setor, a proteção de fontes e jornalistas - especialmente durante manifestações - e o acesso a mais recursos financeiros para assegurar a viabilidade econômica dos meios de comunicação são as principais questões do futuro código de imprensa adotado pelos deputados em dezembro de 2019.

71
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2020

Posição

+5

76 em 2019

Pontuação global

-0.36

29.69 em 2019

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2020
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2020
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2020
Ver o Barômetro