Sérvia

Sérvia

Um Estado preocupante

Seis anos depois que Aleksandar Vučić chegou ao poder, inicialmente como primeiro-ministro e depois como presidente, a Sérvia continua sendo um país frequentemente perigoso para jornalistas e onde notícias falsas se espalham muito rapidamente. As autoridades conseguiram processar com êxito os responsáveis pelo assassinato do jornalista Slovko Ćuruvija em 1999, mas a maioria das investigações sobre ataques a repórteres está paralisada ou arquivada - como é o caso da investigação do incêndio criminoso, em dezembro de 2018, na casa do jornalista Milan Jovanović, enquanto ele e sua esposa dormiam lá. O número de ataques aos meios de comunicação e aos jornalistas, as ameaças de morte e o uso por muitos líderes políticos de retórica violenta contra a profissão estão aumentando acentuadamente. Alguns repórteres corajosos continuam investigando assuntos arriscados, como crime ou corrupção, mas a concentração da mídia nas mãos de um pequeno número de proprietários os obriga a publicar apenas na internet, o que limita a disseminação de suas informações. O conluio entre políticos e meios de comunicação, a desinformação tolerada pelo governo, a falta de pluralismo na imprensa em geral e o destino reservado ao denunciante Aleksandar Obradović, que expôs um caso de corrupção envolvendo o pai do Ministro do Interior - e que foi colocado em prisão domiciliar, sem acesso à Internet, suspenso de seu cargo como empregado de uma fábrica armas - são outras fontes de grande preocupação.

93
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2020

Posição

-3

90 em 2019

Pontuação global

+0.44

31.18 em 2019

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2020
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2020
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2020
Ver o Barômetro