República Tcheca

República Tcheca

O discurso cada vez mais desinibido

O vídeo do presidente tcheco brandindo um rifle Kalashnikov de brinquedo com a inscrição "para os jornalistas" em plena coletiva de imprensa em outubro de 2017 permanecerá nos anais, sem dúvida, como uma das manifestações mais emblemáticas do ódio contra os jornalistas. O discurso desinibido das mais altas esferas do estado abre a porta para todos os excessos. Por exemplo, um cinegrafista foi violentamente agredido por um membro da equipe da sede da campanha na noite da reeleição de Miloš Zeman. Em seu discurso de posse em março de 2018, ele atacou violentamente a mídia, incluindo a televisão pública tcheca, acusando-a de "manipular a opinião pública". Manifestações em apoio à mídia pública se seguiram a essas declarações inéditas para um chefe de Estado. Outra fonte de preocupação é a concentração de mídia que atinge limites críticos. Desde 2008, novos oligarcas usaram suas fortunas para comprar jornais e estabelecer seu poder no país. Andrej Babiš, o primeiro-ministro, está à frente dos dois diários mais influentes do país. Processos judiciais contra ele estão em curso por alegada fraude em subsídios europeus. Embora seja suspeito de ter controle sobre suas ações apesar da legislação de conflito de interesses, nada perturba sua ascensão política. Em abril de 2018, três jornalistas investigativos tchecos relataram intimidação pela polícia em conexão com suas investigações sobre casos ligados a Andrej Babiš. Em setembro de 2018, para denunciar uma interferência do primeiro-ministro na linha editorial de um de seus principais títulos, Petra Procházková, um grande nome da reportagem de guerra, encerrou as atividades do veículo de comunicação após 27 anos de serviços bons e leais. Outro oligarca se destacou, ainda que seu apetite pela mídia não afete o mercado tcheco: em 2018, Daniel Křetínský, quinta fortuna do país, lançou uma ofensiva no mercado francês comprando diversos títulos, entre os quais Elle ou Marianne, e entrando no capital do Le Monde.

40
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2019

Posição

-6

34 em 2018

Pontuação global

+3

21.89 em 2018

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2019
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2019
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2019
Ver o Barômetro