Análise

  • Ranking RSF 2018: O Oriente Médio despedaçado por conflitos e confrontos políticos

    A região do Oriente Médio ocupa novamente o final do ranking mundial da liberdade de imprensa elaborado pela Repórteres sem Fronteiras (RSF). Os conflitos armados que se perpetuam, as acusações recorrentes de terrorismo contra jornalistas e meios de comunicação independentes, assim como a vigilância e a censura online que se ampliam tornam o trabalho dos jornalistas extremamente perigoso na região.


  • Ranking RSF 2018: As difíceis condições para o jornalismo na África do Norte

    A edição 2018 do Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa revela que os jornalistas continuam sob forte pressão na África do Norte. Marcos legais restritivos, entraves ao exercício do jornalismo em campo, em particular na cobertura de manifestações, e diversos temas considerados tabus são alguns dos muitos desafios que restringem a atividade dos jornalistas e limita a circulação da informação livre, independente e plural.


  • Ranking RSF 2018: na Europa os jornalistas também são assassinados

    A erosão do modelo europeu, perceptível nos últimos Rankings da RSF, tende a se confirmar em 2018. A região foi sacudida por dois assassinatos, ameaças contra os jornalistas investigativos e agressões verbais sem precedente contra a profissão. Um clima alarmante que afeta até mesmo os países no topo do Ranking.


  • Ranking RSF 2018: recuo histórico da liberdade de imprensa no espaço pós-soviético e na Turquia

    O espaço pós-soviético e a Turquia permanecem sendo postos avançados da degradação mundial da liberdade de imprensa. Cerca de dois terços dos países da região apresentam pontuações ainda ao redor ou abaixo do 150o lugar do Ranking, e a maioria continua a cair. O índice da região está próximo de chegar ao nível da região do Oriente Médio/África do Norte, última colocada no ranking mundial.



  • Ranking RSF 2018: um balanço heterogêneo na América Latina

    A Repórteres sem Fronteiras (RSF) verificou uma ligeira melhora na situação da liberdade de imprensa no continente americano. Essa alta não deve, contudo, ofuscar os persistentes problemas de violência, de impunidade e de medidas autoritárias impostas contra os jornalistas em diversos países da região.



  • Ranking RSF 2018: o jornalismo de rua sob grande risco na África

    A África se mantém no terceiro lugar na classificação por regiões geográficas, com um índice global caracterizado por uma leve melhora com relação a 2017. As situações ainda são muito contrastantes no continente, onde os jornalistas ainda são alvos frequentes de intimidações, agressões ou encarceramento.