Petição
Parem o suplício de Raif Badawi

Petição
Parem o suplício de Raif Badawi

Sua Alteza, detenha o suplício de Raif Badawi, condenado a 1000 chibatadas!

Sua Alteza, pedimos-lhe solenemente, em nome dos princípios elementares de humanidade, que pronuncie um indulto para Raif Badawi. Este jornalista-cidadão de 31 anos, galardoado em 2014 com o prêmio para a liberdade de imprensa RSF-TV5 Monde, foi condenado em setembro de 2014 pelo Tribunal de Apelação de Riad a uma pena iníqua e bárbara de 10 anos de prisão e 1000 chibatadas. Uma sentença confirmada, a dia 7 de junho de 2015, pelo Tribunal Supremo da Arábia Saudita, o que exclui qualquer esperança de recurso judicial.

Para evitar que o criador de um site internet não sucumbisse mortalmente às sevícias, a justiça do país de Sua Alteza decidiu infligir-lhe o castigo físico em 20 sessões semanais de 50 chibatadas cada uma. Este suplício de outros tempos teve início em público a 9 de janeiro de 2015, após a oração em frente da mesquita Al-Jaffali, em Jeddah. Devido ao estado de saúde preocupante de Raif Badawi, as sessões seguintes foram adiadas, mas podem recomeçar a qualquer momento.

Fundador do site Liberal Saudi Network, entretanto proibido, Raif Badawi está preso há três anos, ao passo que sua mulher e seus três filhos se refugiram no Canadá. O único crime de Badawi? Ter questionado publicamente a evolução da sociedade saudita e o respeito das liberdades fundamentais, promovendo um debate sobre temas políticos, religiosos e sociais.

Sua Alteza, não considera que o horror deste suplício é universal? Trata-se de uma pena ignóbil e ilegítima que Sua Alteza deveria impedir. Seu país, a Arábia Saudita, ocupa a 164ª posição entre 180 países na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa publicada por Repórteres sem Fronteiras (RSF). É hora de parar de silenciar os jornalistas e os internautas.

Sua Alteza, solicitamos o indulto de Raif Badawi e o respeito de seu país pela liberdade de informação, reconhecida pelo artigo 19 da Declaração Universal de Direitos Humanos.