Países Baixos

Países Baixos

Uma liberdade de imprensa efetiva, porém, ameaçada

Os Países Baixos e a liberdade de imprensa, tradicionalmente, se entendem bem. O governo apóia essa liberdade e os jornalistas holandeses se beneficiam de uma arcabouço jurídico muito protetor, particularmente em termos de sigilo das fontes. Contudo, de acordo com o relatório "Een dreigend klimaat" (Um clima ameaçador) publicado em 2017 pela Federação Holandesa de Jornalistas (NVJ), da qual a maioria dos jornalistas holandeses são membros, metade deles teria sido sujeita a pressão jurídica, ameaças físicas ou foram alvo de campanhas de difamação nas redes sociais. O país não está imune à deterioração do clima político e social que prevalece na Europa. Tanto à esquerda como à direita, os partidos populistas se impõem no debate político e ameaçam a liberdade de imprensa. Questionam a legitimidade da mídia tradicional, exigem a renúncia de alguns jornalistas ou limitam o acesso deste ou daquele repórter às suas reuniões. No momento em que o debate público está polarizado em torno de temas como imigração ou "identidade nacional", os jornalistas que cobrem esses tópicos são regularmente confrontados com o bullying cibernético. Em uma época de onipotência das plataformas online, os jornalistas estão mais expostos do que nunca e sofrem violentos ataques online e ameaças de morte. Mulheres jornalistas e repórteres de minorias ou comunidades religiosas tornaram-se os principais alvos de ataques de ódio. Nos últimos anos, vários indivíduos foram presos e condenados por assédio cibernético. Um novo regulamento foi posto em prática em 2018 para conter esse fenômeno: todas as queixas dirigidas à polícia por um jornalista são objeto de uma investigação aprofundada. O crime organizado é também uma ameaça preocupante. Em 2018, dois jornalistas especializados em organizações criminosas receberam proteção policial em tempo integral. No verão passado, a sede de um jornal de Amsterdam sofreu um ataque de carro-bomba poucos dias depois de granadas anti-tanque terem sido lançadas nos escritórios de duas revistas que estavam investigando o crime organizado. Apesar desses acontecimentos recentes e preocupantes, o panorama midiático holandês, que conta como o apoio da sociedade civil, permanece seguro e independente e livre de qualquer pressão governamental ou outra interferência.

4
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2019

Posição

-1

3 em 2018

Pontuação global

-1.38

10.01 em 2018

  • 0
    journalistes tués em 2019
  • 0
    journalistes citoyens tués em 2019
  • 0
    collaborateurs tués em 2019
Ver o Barômetro