Notícia

26 Julho 2016 - Atualizado a 3 Novembro 2016

Terceiro jornalista assassinado no Brasil em 2016

jornaldebrasilia.com.br
O jornalista João Miranda do Carmo foi morto a tiros na porta de casa, no município de Santo Antônio do Descoberto (GO), no dia 24 de julho de 2016. Ele já havia denunciado ter sido alvo de ameaças. A Repórteres sem Fronteiras (RSF) condena esse ato bárbaro e pede que as autoridades criem mecanismos de proteção para os jornalistas no país.

No domingo 24 de julho de 2016, o jornalista João Miranda do Carmo foi assassinado na frente de casa, em Santo Antônio do Descoberto, no estado de Goiás, por um grupo de indivíduos que o aguardavam no portão e que fugiram de carro imediatamente após o crime.


O jornalista, de 54 anos, era o proprietário e o editor do site de notícias SAD Sem Censura, no qual escrevia com frequência sobre criminalidade e denúncias de irregularidades na gestão pública na região. Ele já havia prestado queixa na polícia por ter recebido ameaças após a publicação de artigos e reportagens.


A Repórteres sem Fronteiras condenada veementemente o assassinato de João Miranda do Carmo e pede à polícia e à justiça que identifique e julgue os responsáveis por esse ato de extrema covardia, declarou Emmanuel Colombié, diretor do escritório para a América Latina da organização. Diante da impunidade e da corrupção que corrói diversas gestões municipais do país, o governo federal deveria criar um mecanismo nacional de alerta e proteção para os jornalistas ameaçados.


O Brasil, que atravessa um período de forte turbulência de ordem econômica, política e social, enfrenta também há alguns anos altos índices de violência contra os comunicadores. A justiça do país também tem a responsabilidade de reverter esse fenômeno, confrontando a raiz do problema: a impunidade dos crimes e dos casos de violência cometidos contra a profissão.


João Miranda do Carmo é o terceiro jornalista assassinado no Brasil nesse ano. João Valdecir de Borba foi morto no dia 10 de março e Manuel Messias Pereira no dia 9 de abril.


O país ocupa a 104a posição entre 180 países no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa de 2016 da RSF.