Notícia

11 Junho 2003 - Atualizado a 16 Outubro 2016

Segundo jornalista assassinado em uma semana


Repórteres Sem Fronteiras exprimiu sua extrema preocupação após o assassinato do jornalista Edgar Ribeiro Pereira de Oliveira, proprietário do jornal semanário Boca do Povo, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. É o segundo jornalista assassinado em uma semana depois do assassinato, dia 3 de junho, de Melyssa Martins Correia em Presidente Prudente, no Estado de São Paulo.

Robert Ménard, secretário geral de Repórteres Sem Fronteiras, pediu ao Governador do Mato Grosso do Sul, José Orcírio Miranda dos Santos, "de fazer todo o que for possível para que o inquérito aberto pela polícia permita identificar os autores de este ato covarde e estabelecer os móbeis do crime". A organização relembrou que "entre 1991 e 2002, quinze jornalistas foram assassinados no Brasil por exercer esta profissão."

No dia 9 de junho de 2003, por volta das 18 horas, Edgar Pereira de Oliveira, 43 anos, um dos proprietários do jornal semanário Boca do Povo, foi assassinado em Campo Grande (Mato Grosso do Sul). Desconhecidos começaram a atirar no jornalista quando levava uma funcionária do jornal em casa.

O jornal Boca do Povo, publicava com freqüência matérias polémicas sobre tráfico de droga, corrupção, crimes cometidos por pistoleros e fortes acusações contra políticos e empresários.

Segundo o delegado Valmir Messa, um dos que está apurando o assassinato do jornalista, não há registro de queixa da vítima sobre ameaças de morte. Porém, a polícia está trabalhando com a hipótese de um crime encomendado.

Em 1997, o jornalista Edgar Lopes de Faria, que denunciava os numerosos crimes cometidos por pistoleiros, tinha sido assassinado nessa mesma cidade.