Notícia

29 Agosto 2019

RSF revela indicados ao Prêmio para a Liberdade de Imprensa 2019

A cerimônia de entrega do Prêmio RSF para a Liberdade de Imprensa será no dia 12 de setembro, em Berlim, por ocasião dos 25 anos da seção alemã da organização. Jornalistas e órgãos de imprensa de 12 países foram nomeados em três categorias: a coragem, o impacto e a independência do jornalismo.

Desde sua criação em 1992, o Prêmio RSF para a Liberdade de Imprensa recompensa jornalistas particularmente corajosos e independentes, cujo trabalho teve um impacto significativo.

 

Duas semanas antes da cerimônia que acontecerá em Berlim, no dia 12 de setembro, na seção alemã da organização, a RSF revela a lista de indicados, jornalistas e veículos de 12 países concorrendo a três prêmios internacionais.

 

Vários dos indicados são ameaçados ou foram presos repetidamente devido ao seu trabalho, contudo, não se deixam abalar e elevam suas vozes contra os abusos de poder, a corrupção e outros crimes. A terrível situação desses jornalistas, em vez de nos deixar pessimistas, no inspira o otimismo da determinação. A coragem colocada a serviço dos ideais do jornalismo é um incrível fator de encorajamento para todos aqueles que pretendem enfrentar os maiores desafios da humanidade”, declarou Christophe Deloire, secretário geral da Repórteres sem Fronteiras.

 

Entre eles, um jornalista investigativo russo que já sofreu inúmeros ataques, uma jornalista vietnamita espancada e aprisionada por causa de seu trabalho e o mais antigo jornal do Paquistão, alvo de uma perseguição constante por parte das autoridades oficiais.

 

 

Para o Prêmio da coragem, os seguintes jornalistas foram indicados:

 

Igor Roudnikov (Rússia) – Fundador do jornal Novye Kolesa, foi alvo de vários ataques devido a suas investigações sobre corrupção e desvio de fundos públicos. Sua atividade também o levou a ser preso.

 

 

 

Eman al Nafjan (Arábia Saudita) – Blogueira e jornalista, organizou importantes campanhas para que as mulheres fossem autorizadas a dirigir e ter acesso a mais direitos. Detida juntamente com outras ativistas, foi solta e vive atualmente em liberdade condicional. Considerada uma “traidora", pode pegar uma pena de até 20 anos de prisão.

 

 

 

Paolo Borrometi (Itália) – Suas corajosas investigações sobre a máfia tornaram-no alvo regular de ameaças de morte e o forçaram a viver sob proteção policial permanente.

 

 

 


Lola Aronovich (Brasil) – Essa blogueira é conhecida em todo o país por seus textos feministas e seu envolvimento com a luta pelos direitos das mulheres. A lei Lola, batizada em homenagem aos seus trabalhos contra a violência online, permite que a Polícia Federal assuma investigações ligadas à criminalidade cibernética de caráter misógino. No entanto, ela é alvo regular de inúmeros ataques e recebeu centenas de ameaças de morte na internet.

 

 

 

Para o Prêmio do impacto, os seguintes veículos de comunicação e jornalistas foram nomeados:

 

Bihus.info (Ucrânia) – O coletivo de repórteres fundado por Denys Bihus revelou vários casos de corrupção e de abuso de poder por políticos de alta hierarquia, alguns dos quais foram processados na justiça e forçados a renunciar.

 

 

 

Pham Doan Trang (Vietnam)

Pham Doan Trang (Vietnã) – Fundadora da webzine Luat Khoa, vive em um dos países mais repressivos do mundo. Através de seus artigos, ajuda seus compatriotas a lutar por seus direitos civis. Também é ardorosa defensora dos direitos LGBT. Seu trabalho fez com que fosse espancada e detida repetidas vezes.

 

 

 

Sudanese Journalists Network (Sudão) – Essa rede de jornalistas sudaneses aborda as violações à liberdade de imprensa no Twitter e atua como porta-voz dos jornalistas presos.

 

 

 


Lu Guang (China) – Renomado fotojornalista, registra as problemáticas sociais e ambientais geradas pela intensidade do desenvolvimento industrial. Estabelecido em Nova York desde 2005, foi preso em 3 de novembro de 2018 quando visitava a China. Desde então, seus familiares e colegas nunca mais tiveram notícias suas.

 

 

 

Para o Prêmio da independência, os seguintes veículos de comunicação e jornalistas foram indicados:

 

Caroline Muscat (Malta) – Depois do assassinato de sua conterrânea Daphne Caruana Galizia em 2017, fundou o veículo investigativo independente online The Shift News, que investiga especialmente casos de corrupção. Apesar das inúmeras pressões que sofre, continua incansável em seu trabalho.

 

 

 

Dawn (Pakistán)

Dawn (Paquistão) – O jornal mais antigo do país é também aquele que continua a resistir à autoridade militar. Sua distribuição foi proibida durante as eleições de 2018. Este ano, o governo ordenou que as agências de publicidade não publicassem anúncios no Dawn.

 

 

 

Amadou Vamoulké (Camerún)

Amadou Vamoulké (Camarões) – Diretor da rádio estatal por 9 anos, denunciava com frequência o monopólio da informação da rede pública de TV e a criminalização dos profissionais de mídia. Foi detido em 2016, oficialmente por ter desviado milhões de euros em fundos públicos.

 

 

 

Confidencial (Nicaragua)

Confidencial (Nicarágua) – Esse semanário independente construiu seu nome graças a suas reportagens investigativas e suas análises profundas do sistema político - o que também lhe rendeu vários inimigos. Após receber várias ameaças de morte, seu redator chefe, Carlos Fernando Chamorro, fugiu para a Costa Rica, de onde continua a trabalhar.

 

A 27a edição do Prêmio RSF para a Liberdade de Imprensa

 

Criado em 1992, o Prêmio RSF para a Liberdade de Imprensa tornou-se um evento  celebrado a cada ano na França. Em 2018, foi realizado pela primeira vez em Londres. Este ano, será realizado em Berlim, por ocasião dos 25 anos da seção alemã da organização.

 

Estamos muito felizes de acolher o Prêmio RSF para a Liberdade de Imprensa em Berlim. É com grande alegria que homenageamos a coragem de jornalistas do mundo todo e recebemos alguns deles aqui, declarou o porta-voz do escritório alemão da RSF, Michael Rediske. O Prêmio RSF envia uma mensagem aos regimes repressivos: o trabalho de mulheres e homens determinados repercute ao redor do mundo e não abandonamos à sua própria sorte aquelas e aqueles que são ameaçados, perseguidos e aprisionados”.

 

Os vencedores serão anunciados no dia 12 de setembro no Kammerspiele du Deutches Theater de Berlim. Serão escolhidos por um júri composto pelo Conselho Emérito da RSF e pelos presidentes de todas as seções da organização.

 

Parceira histórica do Prêmio RSF para a Liberdade de Imprensa, a TV5Monde apoia o evento e entregará o prêmio da independência. O Prêmio da coragem recebe o apoio do fornecedor de serviços de e-mail Posteo. O grupo de mídia Intan patrocina o Prêmio do impacto.