Notícia

16 Dezembro 2019 - Atualizado a 17 Dezembro 2019

A RSF lança seu relatório anual sobre violências contra jornalistas em 2019, com destaque para a queda histórica no número de jornalistas mortos

A Repórteres sem Fronteiras (RSF) publica hoje seu balanço anual de violências graves cometidas contra jornalistas em todo o mundo. Em 2019, 49 jornalistas foram mortos, 389 estão presos e 57 são reféns. Ainda que o jornalismo permaneça uma atividade perigosa, o número de jornalistas mortos registrado é o menor dos últimos 16 anos.

Uma forte queda no número de jornalistas mortos

Desde 2003, o número de jornalistas mortos não é tão baixo. Em seu balanço anual de 2019, a Repórteres sem Fronteiras identificou 49 jornalistas mortos, ou seja, uma redução significativa de 44% em relação ao ano anterior. Esse número "historicamente baixo", quando comparado à média de 80 mortes registradas nas duas últimas décadas, reflete essencialmente o declínio no número de jornalistas mortos em conflitos armados. A cobertura dos conflitos na Síria, no Iêmen e no Afeganistão mostrou-se, assim, duas vezes menos letal para os jornalistas: 17 foram mortos nos três países em 2019, em comparação com 34 no ano anterior.

 

Essa queda sem precedentes não oculta, contudo, uma realidade que persiste: o número de jornalistas mortos nos países considerados "em paz" permanece elevado. Assim, como no ano passado, o México conta 10 casos de assassinatos de jornalistas. De maneira mais ampla, a América Latina, com um total de 14 mortos em todo o continente, tornou-se uma área tão letal quanto o Oriente Médio.

 

Essa dupla tendência (linhas de frente de conflitos armados menos letais e países em paz acompanhando as médias de anos anteriores) tem uma consequência: agora há, proporcionalmente, mais mortes em países em paz (59%) do que em regiões em conflito e um aumento de 2% no número de jornalistas assassinados ou deliberadamente executados.

 

"Para os jornalistas, a fronteira entre os países em guerra e em paz está desaparecendo, alarma-se o secretário geral da RSF, Christophe Deloire. Enquanto saudamos o declínio sem precedentes no número de jornalistas mortos em zonas de conflito, também estamos vendo que mais e mais jornalistas são intencionalmente assassinados devido ao seu trabalho em países democráticos, o que representa um verdadeiro desafio para as democracias de onde vêm esses jornalistas".

 

Um aumento no número de detenções arbitrárias

Outro fato preocupante revelado pelo relatório da RSF: o número de jornalistas presos arbitrariamente no mundo continua a crescer. No final de 2019, 389 jornalistas estão presos por desempenharem suas funções, ou seja, 12% a mais do que no ano passado. Quase metade dos jornalistas presos estão detidos em apenas três países: China, Egito e Arábia Saudita. A China, que intensificou sua repressão à minoria uigur, mantém sozinha um terço dos prisioneiros do mundo.

 

Desde 1995, a RSF elabora um relatório anual das violências cometidas contra jornalistas, com base no seu trabalho de monitoramento e pesquisa realizado entre 1o de janeiro e 1o de dezembro do ano da publicação. A RSF realiza uma coleta rigorosa de informações que permite afirmar com certeza, ou ao menos forte presunção, que a detenção, o sequestro, o desaparecimento ou a morte de um jornalista é uma consequência direta do exercício de sua atividade.