Notícia

16 Abril 2020 - Atualizado a 17 Abril 2020

A RSF insta o secretário-geral da ONU e o diretor-geral da OMS a lançar um apelo conjunto

Antonio Guterres, Secretário-Geral da ONU / AFP
Em uma carta ao Secretário-Geral da ONU e ao Diretor-Geral da OMS em 15 de abril, a RSF pede que façam um apelo aos Estados membros que violam a liberdade de imprensa para que respeitem o direito à informação. Em 13 de abril, a organização registrou uma queixa junto ao Relator Especial para o direito à saúde.

O Observatoire 19, criado pela Repórteres sem Fronteiras (RSF) e cujo nome faz referência ao Covid-19 e ao artigo 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, demonstra a extensão das violações da liberdade de imprensa perpetradas durante a epidemia de coronavírus que violam o direito à informação e, consequentemente, o direito à saúde. 

 

A organização escreveu ao secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, e ao diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pedindo que façam um apelo solene aos Estados. Em sua carta, enviada em 15 de abril, o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire, menciona a denúncia da organização aos Relatores Especiais para o direito à saúde, por um lado, e para a liberdade de opinião e opinião, por outro, para que intimem os Estados culpados de tais violações e que qualifiquem os fatos. 

 

"Vocês declararam que a pandemia de Covid-19 era 'o maior desafio para nós desde a Segunda Guerra Mundial', está escrito na carta a Antonio Guterres. Nessas circunstâncias dramáticas, expresso nossa preocupação com o aumento das violações da liberdade de imprensa cometidas por muitos governos em resposta a essa crise sem precedentes. Essas violações, por impedirem o acesso a informações confiáveis, livres e diversificadas sobre a pandemia, representam um fator de agravamento da doença e até um risco vital para milhões de seres humanos."

 

A organização pede ao secretário-geral da ONU e ao diretor-geral da OMS que afirmem em conjunto que o direito à informação é inerente ao direito à saúde, que condenem as violações da liberdade de imprensa cometidas apesar de, sob o pretexto de ou por ocasião da epidemia de Coronavírus, e exijam que sejam tomadas medidas de proteção para que jornalistas e meios de comunicação possam realizar seu trabalho crucial de informar.