Notícia

18 Setembro 2019 - Atualizado a 19 Setembro 2019

A RSF agora oferece a possibilidade de contribuir online para a Journalism Trust Initiative (JTI) por meio de uma ferramenta interativa

A consulta pública sobre a Journalism Trust Initiative acaba de se tornar mais fácil hoje, graças ao lançamento de uma ferramenta digital. Ao clicar em jti-rsf.org, cada um poderá fazer comentários sobre os indicadores do projeto. Paralelamente, os meios de comunicação poderão testar e avaliar seu nível de conformidade, graças a um questionário online.

O público em geral e as comunidades profissionais são convidados a expressar suas opiniões sobre a Journalism Trust Initiative (JTI), lançada pela Repórteres sem Fronteiras (RSF) e seus parceiros. Desde quarta-feira, 18 de setembro, uma ferramenta digital permite que os voluntários deem sua opinião e enviem suas propostas sobre projetos de normas. O conjunto de dados resultante tem como objetivo fornecer os elementos necessários para a tomada de decisões na distribuição e consumo de informações, humanas e algorítmicas, mas também em termos de gastos com publicidade e, portanto, recompensando o jornalismo digno desse nome - uma lógica que, até agora, não dispunha de nenhuma ferramenta para torná-la mais fácil.

 

Esse dispositivo complementa um formulário de comentários já disponível no site do Comitê Europeu de Normalização (CEN). Após uma consulta de três meses e de acordo com as diretrizes do CEN, todos os comentários serão avaliados pelos conselhos editoriais da JTI antes de serem incorporados à revisão final do Contrato de Oficina da JTI e sua publicação, prevista para o final de 2019.

 

Um processo baseado em consenso para definir normas

Desde maio de 2018, mais de 120 especialistas representando meios de comunicação internacionais, nacionais e locais, associações de consumidores, empresas de tecnologia, reguladores e ONGs trabalham em conjunto para estabelecer normas profissionais no âmbito da Journalism Trust Initiative (JTI).

 

No final de junho de 2019, os participantes adotaram um documento oficial de normatização que define os indicadores de um jornalismo confiável. Esse documento inclui uma lista de critérios de transparência, profissionalismo e ética, considerados pelos membros da JTI como práticas essenciais e de excelência, garantindo a confiabilidade dos órgãos de imprensa. O documento também fornece um questionário que converte as cláusulas de normatização em uma lista de controle, que pode ser automaticamente decifrada por um computador, a fim de fornecer elementos sobre a distribuição algorítmica das informações. 

 

A consulta pública, uma etapa decisiva  

A consulta pública deste projeto garante uma colaboração importante com o documento que será publicado e é o componente crítico de qualquer processo de implementação de normas. Até 18 de outubro de 2019, o público em geral e as comunidades profissionais são convidados a expressar suas opiniões e enviar propostas específicas de emendas a cada uma das 16 cláusulas, inúmeros parágrafos e a lista de controle associada.



Uma publicação finalizada no início de 2020

Após a sua publicação final no início de 2020, o documento de normatização da JTI estará acessível a todos os tipos de órgãos de imprensa para autoavaliação e, se necessário, para uma auditoria adicional denominada "avaliação de conformidade". A JTI foi lançada para fornecer uma ferramenta totalmente aberta e auto-regulável. A consulta pública visa ampliar o escopo de participação na JTI e, em última instância, estabelecer sua legitimidade.

 

Sobre a JTI 

Lançada pela Repórteres sem Fronteiras (RSF) em parceria com a União Europeia de Radiodifusão (UER), a Agence France-Presse (AFP) e a Rede Global de Editores (GEN), a iniciativa JTI tem como objetivo definir indicadores para um jornalismo digno de confiança. O respeito a esses indicadores deve proporcionar benefícios tangíveis a todos os meios de comunicação e fornecer o suporte necessário para garantir um espaço de informação global sólido e credível.

Diferenciando-se de outros projetos de indicadores de confiança, a JTI se concentra principalmente no processo - ou no nível de "manufatura" do jornalismo - e não em conteúdos únicos. O objetivo é que os meios de comunicação se adequem à normatização como entidade, por exemplo, oferecendo transparência em relação a propriedade e fontes de receita, além de evidências de uma série de salvaguardas profissionais. Pela primeira vez, o respeito aos valores do jornalismo é recompensado.

 

Entre os participantes da fase de desenvolvimento da JTI estão, em ordem aleatória: BBC, Grupo RTL (Luxemburgo), Gazeta Wyborcza (Polônia), Tagesspiegel (Alemanha), Tamedia Group (Suíça), Norsk Rikskringkasting (NRK, Noruega), TT News Agency (Suécia), Associated Press (EUA), Deutsche Presse Agentur (dpa, Alemanha), World Wide Web Consortium (W3C), Google, Facebook, City University of New York (CUNY, EUA), Ethical Journalism Network (RJE), Conselho de Imprensa da Suíça, Sociedade de Jornalistas Profissionais (SPJ, EUA), Associação de Jornalistas de Taiwan, Associação de Jornalistas da Coreia do Sul, The Independent Monitor of the Press (IMPRESS, Reino Unido), Autorità per le Garanzie nelle Comunicazioni (AGCOM, Itália), o Comissário para a Cultura e os Meios de Comunicação do Governo (BKM, Alemanha), European Association for the Co-ordination of Consumer Representation in Standardisation (ANEC), Internews (Reino Unido), Thomson Foundation (Reino Unido), Free Press Unlimited (FPU, Países Baixos), Fundação Hirondelle (Suíça), Civil (EUA), NewsGuard, Global Disinformation Index (GDI), Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

 

Este projeto recebeu apoio da fundação Craig Newmark.