Notícia

26 Maio 2021

Pesadelo para a imprensa, Bielorússia conta 24 jornalistas presos

Crédit : capture d'écran de la chaîne Telegram BGM, dont Raman Pratassevitch est rédacteur en chef
O presidente Alexandre Loukachenko promulgou emendas à lei que regula a imprensa, ampliando a repressão aos meios de comunicação no país. O ato ocorreu um dia após a prisão do jornalista e ativista Raman Pratassevitch, passageiro do voo comercial da empresa Ryanair que ia de Atenas para Vilnius e que foi forçado a desviar seu trajeto pelo governo bielorusso.

O desvio de um avião para prender um jornalista a pedido de um ditador causou indignação mundial. O fato inédito, ocorrido no último domingo 23 de maio, faz parte de uma escalada da repressão ao jornalismo da Bielorrússia. No dia seguinte, o chefe de estado Alexander Lukashenko assinou emendas à lei de imprensa, que entrarão em vigor no próximo mês. As mudanças ampliam as restrições à atividade jornalística no país: repórteres que cobrem eventos não autorizados serão agora considerados participantes, a transmissão ao vivo pela Internet será proibida, bem como a publicação de pesquisas de opinião por órgãos não credenciados.


O novo texto endurece os critérios para credenciamento de profissionais de imprensa e dificulta o acesso à informação. Isso inclui ainda os links de hipertexto para mensagens ou documentos cuja divulgação é proibida (impactando por exemplo o canal Nexta no Telegram, ou para comentários da principal oponente do regime, Sviatlana Tsikhanouskaïa). O mesmo vale para qualquer divulgação de mensagem que possa prejudicar os interesses nacionais, definidos pelo governo.


"O desvio do avião da Ryanair é o evento mais espetacular da guerra do presidente Lukashenko contra o jornalismo, tornando o país um pesadelo para a imprensa", declarou o secretário-geral da Repórteres sem Fronteiras (RSF), Christophe Deloire. "Condenamos veementemente este ato de pirataria aérea, que é uma perversidade estatal, e exigimos a libertação imediata de Raman Pratassevich. Pedimos que os responsáveis por este ato inaudito ocorrido no céu europeu, em violação ao direito internacional, sejam punidos”.


24 jornalistas estão presos na Bielorrússia


24 jornalistas estão atualmente detidos de forma arbitrária na Bielorrússia. Na semana passada, 18 de maio, o site de notícias independente TUT.BY, o mais popular do país, foi alvo de revistas e 10 de seus funcionários foram presos e permanecem detidos. Os diretores do TUT.BY são acusados de sonegar impostos, acusação totalmente forjada, denunciada pela RSF. 


A Bielorrússia ocupa o 158o lugar de 180 no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa 2021 estabelecido pela RSF.