Notícia

22 Fevereiro 2021

Khaled Drareni, símbolo da liberdade de imprensa na Argélia, enfim livre!

A Repórteres sem Fronteiras (RSF) expressa sua imensa alegria e alívio após a libertação de seu correspondente Khaled Drareni e agradece a todos aqueles que se mobilizaram por ele e, em particular, ao seu comitê de apoio.

O jornalista Khaled Drareni foi libertado nesta sexta-feira, 19 de fevereiro, da prisão de Koléa, a oeste de Argel, após 11 meses de detenção. Como dezenas de outros prisioneiros de consciência, o diretor do site de notícias online Casbah Tribune, e correspondente da TV5 Monde e da RSF na Argélia, foi beneficiado pelo indulto concedido pelo Presidente Abdelmadjid Tebboune. Poucos dias antes do segundo aniversário da revolta popular do Hirak, na noite de 18 de fevereiro, o chefe de estado argelino anunciou a libertação de cerca de sessenta presos políticos.
 
Sentimos uma alegria imensa, apesar do gosto amargo de uma injustiça de 11 meses, afirmou o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire. A independência e o pluralismo do jornalismo são condições imprescindíveis para uma transformação positiva da Argélia. Depois de alguns retrocessos, as graças concedidas pelo presidente Tebboune vão, inegavelmente, na direção certa. Khaled Drareni poderá retomar seu trabalho por informações livres e confiáveis".
 
Christophe Deloire e todas as equipes da RSF agradecem a todos os que se mobilizaram com a organização desde o dia 29 de março, data da prisão de Khaled Drareni, e especialmente ao comitê de apoio.
 
Vítima de uma perseguição sem precedentes, Khaled foi capaz de resistir com sua coragem de sempre, inspirando a luta pela liberdade de imprensa na região, comemorou, por sua vez, o diretor do escritório da RSF em Túnis, Souhaieb Khayati. Por meio dos perdões concedidos, o presidente Tebboune foi capaz de reconhecer o óbvio: Khaled Drareni é um jornalista íntegro cujo trabalho não ameaça a unidade nacional, pelo contrário. Um debate pacífico é a melhor garantia da unidade e credibilidade da Argélia”.
 
O assédio judicial de que Khaled Drareni foi alvo por quase um ano o transformou num verdadeiro símbolo da liberdade de imprensa na Argélia. O jornalista foi preso pela primeira vez em 7 de março de 2020, quando ficou detido por três dias. Em 27 de março, sua revisão judicial foi cancelada e Khaled Drareni foi preso novamente dois dias depois, enquanto cobria uma manifestação do Hirak. Foi condenado em segunda instância a dois anos de prisão por “incitar uma manifestação não autorizada” e “colocar em perigo a segurança do Estado”. A Suprema Corte de Argel deve analisar seu recurso de cassação na próxima semana, 25 de fevereiro.
 
A Argélia ocupa o 146o lugar entre os 180 listados no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa estabelecido pela RSF. O país perdeu cinco posições com relação a 2019 e 27 quando comparado a 2015.