Notícia

8 Maio 2017

Jornalista mexicano em busca de asilo está detido há mais de três meses na fronteira com os EUA

A Repórteres sem Fronteiras (RSF) repudia a decisão do Serviço de Imigração e Controle de Alfândegas (ICE, por sua sigla em inglês) que negou liberdade condicional de Martin Mendez Pineda, jornalista mexicano que está detido há três meses na fronteira com os Estados Unidos após ter entrado com pedido de asilo.

Martin Mendez Pineda deixou o estado de Guerrero após ter recebido ameaças de morte por ter publicado uma reportagem denunciando abusos cometidos por policiais. Ele esperava encontrar refúgio e segurança nos Estados Unidos. No entanto, Martin Mendez se encontra desde o dia 5 de fevereiro de 2017 num centro de detenção.


Na semana passada, a RSF recebeu novas informações do advogado de Martin Mendez, Carlos Spector, de que o Serviço de Imigração e Controle de Alfândegas (ICE) negou pela segunda vez o pedido de liberdade condicional do jornalista ao afirmar que ele não foi capaz de demonstrar “laços substanciais com a comunidade”.


Na contramão do que afirma a decisão, Martin Mendez vem recebendo grandes demonstrações de apoio da comunidade de El Paso, incluindo a de um padre local que disponibilizou sua residência no caso do jornalista ser liberado, além de diversos grupos, como associações locais de jornalistas e organizações que defendem a liberdade de imprensa, que expressaram preocupação com a detenção de Martin e se somaram aos apelos para que ele seja liberado.


Numa carta angustiante, Martin Mendez detalha os horrores da situação em que se encontra. Abaixo, um trecho do seu depoimento:


“Eu vi discriminação, abuso e humilhação desde o primeiro dia em que pisei aqui. Eles me transferiram para um centro de detenção chamado de Instalação de Detenção do Oeste do Texas (West Texas Detention Facility), localizado na cidade de Sierra Blanca. Nesse lugar, eu vivi os piores dias da minha vida. O Centro é conhecido pelos detentos como “el gallinero” (galinheiro), pois as instalações lembram as de uma granja, planejado para receber aproximadamente 60 pessoas, mas que atualmente abriga mais de 100 indivíduos, expostos a todo tipo de doenças e sem acesso aos cuidados médicos adequados. O “galinheiro” de Sierra Blanca é pequeno, com beliches de metal, colchões usados, chão de madeira, banheiros cobertos de mofo, ervas daninhas por todos os lados e ratos e serpentes que se esgueiram pelo Centro no meio da noite. Os guardas olham para os detentos com cara de nojo e tudo que é dito é ignorado por eles. A comida é escassa e a única coisa que nos respondem é que é o suficiente para sobreviver. É um martírio estar nesse lugar. Sinceramente, é um inferno”.


A RSF pede às autoridades do ICE que libertem imediatamente Martin Mendez, que está sob custódia há mais de 90 dias.


O México está na 147a posição entre 180 países do Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa, elaborado pela RSF. Os EUA na 43a colocação. O México é o país mais mortífero para os jornalistas no hemisfério ocidental.


Abaixo, o contato do oficial que recusou o pedido de liberdade condicional de Martin Mendez:


Deputy Field Office Director Alfredo Fierro

[email protected]

915-856-5510


O telefone de contato de Carlos Spector, advogado de Marin Mendez, é 915-544-0441.