Notícia

5 Maio 2004 - Atualizado a 16 Outubro 2016

Jornalista é assassinado no Estado de Pernambuco


José Carlos Araújo, da Rádio Timbaúba FM, foi morto em 24 de abril no Estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil). Preso três dias depois, o suposto assassino, de 18 anos, confessou o crime. José Carlos Araújo é o segundo jornalista morto no Brasil em menos de uma semana. Leer la versión española

Repórteres sem Fronteiras condena vivamente o assassínio de José Carlos Araújo, jornalista da Rádio Timbaúba FM, morto em 24 de abril em Timbaúba (Estado de Pernambuco, Nordeste do país).

"O assassínio de José Carlos Araújo mostra, uma vez mais, que os jornalistas das pequenas cidades do interior são regularmente alvo da delinqüência ou de grupos de criminosos. Nossa organização regozija-se com o fato de que o assassino tenha sido preso e pede às autoridades do Estado de Pernambuco que faça tudo para que o cúmplice do crime também seja preso", declarou Repórteres sem Fronteiras.

No último dia 20 de abril, outro radialista, Samuel Roman, foi morto em Coronel Sapucaia, uma pequena cidade do Estado de Mato Grosso do Sul, localizada na fronteira com o Paraguai. Denunciava o tráfico de drogas e a criminalidade que vigem na região, bem como a classe política local.

Em 24 de abril de 2004, por volta das 19h30, José Carlos Araújo, da Rádio Timbaúba FM, emissora de Timbaúba (a 100 km de Recife, capital do Estado de Pernambuco), foi assassinado por dois indivíduos quando saía do estúdio de gravação, nas cercanias de seu domicílio. Os dois criminosos não lhe roubaram nada.

O suposto assassino do jornalista, Hélton Jonas Gonçalves de Oliveira, foi preso em 27 de abril. Segundo a polícia, confessou ter matado José Carlos Araújo porque, em seu programa, este o tinha acusado de ser autor de vários crimes. Interrogado por Repórteres Sem Fronteiras, Caetano Marinho, diretor da programação da Rádio Timbaúba FM, confirmou que o programa do jornalista era dedicado a casos policiais e havia denunciado crimes cometidos por seu assassino.

Citado pela imprensa local, Guilherme Mesquita, delegado de polícia de Timbaúba, esclareceu que, junto com Marcelo Melo, cúmplice de 22 anos, Hélton Jonas Gonçalves de Oliveira pediu a um terceiro cúmplice, Fernando Motoqueiro, que lhe emprestasse uma moto para matar o jornalista. Hélton Jonas Gonçalves de Oliveira, de 18 anos, foi acusado de porte ilegal de arma de fogo e de outros dois assassínios cometidos este ano em Timbaúba. A polícia contou a Repórteres sem Fronteiras que a moto utilizada durante o crime tinha sido encontrada, mas que o cúmplice continua foragido.

José Carlos Araújo, 37 anos, apresentava o programa "José Carlos Entrevista" na Rádio Timbaúba FM. O jornalista denunciava a existência de esquadrões da morte e o suposto envolvimento de importantes personalidades locais em casos de crimes. Era muito popular em Timbaúba.