Notícia

26 Julho 2019

El Salvador. RSF denuncia ataques e ameaças online contra Revista Factum

A Repórteres sem Fronteiras (RSF) condena a onda de ataques e ameaças online contra a equipe do website salvadorenho Revista Factum - uma das principais agências de jornalismo investigativo da América Central - e pede ao novo presidente do país, Nayib Bukele, para não estigmatizá-los.

Embora a proteção de todos os jornalistas da Revista Factum tenha sido requerida ao Estado salvadorenho como uma “medida cautelar” pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos em 2017, um desdobramento da Organização dos Estado Americanos, a intimidação online e campanhas de difamação contra o site tem crescido desde o começo da campanha eleitoral que trouxe Bukele à presidência em junho.

No seu primeiro pronunciamento depois de eleito, transmitido pelo Facebook, Bukele criticou a mídia e chegou a citar nomes de jornalistas, incluindo o editor da Revista Factum Héctor Silva Ávalos, descrevendo eles como “adversários políticos que agem de maneira maniqueísta com a intenção de desestabilizar o governo”.

Desde então, os ataques, insultos e ameaças contra o site e seus representantes tem crescido cada vez mais, especialmente nas redes sociais.

A enxurrada de mensagens dirigidas contra a Revista Factum visa descredibilizar o trabalho realizado por seus jornalistas, com acusações graves de conspiração contra o governo e de associação com gangues e grupos criminosos, quando não insultos e ameaças diretas. Dois dos jornalistas em particular, Fernando Romero e Bryan Avelar, têm sido submetidos a sérias ameaças online e campanhas de ódio pelo Twitter, orquestradas por contas anônimas.

Nós expressamos todo o apoio à Revista Factum e condenamos fortemente os tristes ataques e tentativas de vincular o veículo à grupos criminosos” afirmou Emmanuel Colombié, diretor do escritório para a América Latina da RSF. “O novo governo de El Salvador tem o dever de garantir a proteção dos jornalistas e não pode, em nenhuma circunstância, estigmatizá-los”.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos exigiu a El Salvador a garantia de segurança a todos os jornalistas da Revista Factum em 2017, em decorrência das ameaças que receberam após revelarem a existência e o modo de operação de grupos de extermínios ligados a forças de segurança do Estado.

Casos de assédio cibernético tem se tornado mais comuns no país. No final de junho, a jornalista Karen Fernandez foi atacada violentamente no Twitter depois de ter participado de uma entrevista no Canal 33. Um trecho da sua fala foi compartilhado em redes sociais e retweetado pelo presidente Bukele. Após isso, Fernandez encarou uma onda de insultos misóginos e mensagens ameaçadoras.

 El Salvador se encontra na 81a posição, entre 180 países, no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa 2019 elaborado pela Repórteres sem Fronteiras.