Notícia

2 Outubro 2020

Conforme a cúpula do G20 se aproxima, a RSF lança uma contagem regressiva de 50 dias e uma petição pelo avanço da liberdade de imprensa

Por ocasião do segundo aniversário do assassinato do colunista saudita Jamal Khashoggi e 50 dias antes da cúpula do G20 em Riad, a Repórteres sem Fronteiras (RSF) lança uma contagem regressiva de 50 dias e uma petição instando as capitais do G20 a obterem progressos concretos em matéria de liberdade de imprensa na Arábia Saudita - a começar pela libertação dos 34 jornalistas detidos no país.

Nos dias 21 e 22 de novembro, a Arábia Saudita sediará a cúpula virtual do G20 em Riad, apesar de o reino ter um dos piores históricos do mundo em matéria de liberdade de imprensa. Visando responsabilizar a Arábia Saudita e levá-la a tomar medidas para obter progressos concretos em termos de liberdade de imprensa, a RSF está lançando uma petição para as capitais do G20.

 

A Arábia Saudita está entre as maiores prisões do mundo para jornalistas, com 34 deles atualmente apodrecendo atrás das grades por causa de sua profissão.  Muitos desses jornalistas sofreram maus-tratos na prisão.  A RSF realizou várias campanhas pela sua libertação e apresentou seus casos diretamente ao governo saudita durante uma missão sem precedentes de defesa da liberdade de imprensa no país, em abril de 2019. 

 

Acrescente-se a isso o fato de que a impunidade continua reinando ao redor do terrível assassinato, em 2 de outubro de 2018, do colunista saudita Jamal Khashoggi, dentro da Embaixada da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia. Um julgamento a portas fechadas, ao qual nem público nem meios de comunicação tiveram acesso, concluiu pela condenação de oito acusados não identificados a penas de prisão e pela absolvição de outros três - desprezando totalmente todas as normas internacionais. Nenhuma investigação internacional independente foi realizada.

 

“Ao ignorar as graves violações da liberdade de imprensa que continuam a assolar a Arábia Saudita, os participantes da cúpula arriscam suas próprias reputações,afirmou o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire.A RSF está convencida, no entanto, de que esta reunião representa, pelo contrário, uma oportunidade para refletir sobre a implementação de reformas positivas. Apelamos às capitais do G20 - de Londres a Berlim - a instar a Arábia Saudita a libertar os 34 jornalistas detidos no reino e a começar a reverter o seu péssimo histórico em matéria de liberdade de imprensa”.

 

O governo saudita declarou que os três principais objetivos da presidência do G20 em 2020 são "fornecer meios aos povos para que ganhem autonomia", "preservar o planeta" e "traçar novas fronteiras". Mas esses objetivos não podem ser alcançados se os membros do G20, e em particular o Estado que o preside, não respeitarem seus compromissos internacionais em termos de liberdade de imprensa.

 

Uma contagem regressiva de 50 dias, na página inicial do site da RSF, mostrará os dias que faltam para a cúpula de Riad em 21 e 22 de novembro, determinando assim um prazo para os Estados membros do G20 implementarem avanços em termos de liberdade de imprensa na Arábia Saudita. Na véspera da cúpula, a RSF enviará a petição às autoridades nas principais capitais do G20.

 

A Arábia Saudita ocupa a 170a posição entre 180 países no Ranking Mundial de Liberdade de Imprensa estabelecido pela RSF em 2020.