Notícia

11 Agosto 2020

Condenação de Khaled Drareni na Argélia: "Uma decisão arbitrária, absurda e violenta"

O jornalista Khaled Drareni foi condenado a três anos de prisão em regime fechado. A Repórteres sem Fronteiras (RSF) denuncia uma pena revoltante e apela por uma ampliação da mobilização a seu favor.

O jornalista Khaled Drareni foi condenado a três anos de prisão em regime fechado. A Repórteres sem Fronteiras (RSF) denuncia uma pena revoltante e apela por uma ampliação da mobilização a seu favor. 

 

O tribunal de Sidi M'hamed em Alger anunciou sua decisão na segunda-feira, 10 de agosto. Khaled Drareni, diretor do dite de notícias online Casbah Tribune e correspondente na Argélia para a TV5 Monde e a RSF foi condenado a três anos de prisão em regime fechado e 50 mil dinares argelinos (cerca de 330 euros). Na abertura do processo, na última segunda-feira, o procurador da república havia pedido quatro anos de prisão em regime fechado e privação de seus direitos civis.


"Essa condenação é profundamente revoltante por seu caráter arbitrário, absurdo e violento, indigna-se o secretário geral da RSF, Christophe Deloire. Trata-se, claramente, de uma perseguição judicial contra um jornalista que é o orgulho de seu país. Essa decisão, resultante de uma justiça subserviente, acaba de tornar Khaled Drareni um símbolo gerador de uma indignação e uma mobilização mundiais."

 

Processado por "incitação a aglomeração não armada e atentado à unidade nacional", depois de cobrir as manifestações do "Hirak", o jornalista foi repreendido ao longo de seu processo por ter criticado no Facebook o sistema político e por ter publicado um comunicado de uma coalizão de partidos políticos a favor de uma greve geral.

 

Preso provisoriamente desde 29 de março, Khaled Drareni sempre negou as acusações, garantindo ter feito apenas o seu "trabalho de jornalista independente e ter exercido o seu direito de informar".

 

Duas figuras do Hirak processadas pelos mesmos fatos foram condenadas somente a quatro meses de prisão em regime fechado e a penas com direito a suspensão condicional. 

 

Khaled Drareni não foi o primeiro jornalista condenado este ano. Em 14 de julho, o jornalista Ali Djamel Toubal, correspondente do grupo de veículos de comunicação privado Ennahar, foi condenado a 15 meses de prisão em regime fechado pela corte penal de Mascara (noroeste) por ter, sobretudo, difundido imagens que mostravam policiais abordando com violência manifestantes opostos ao governo.

 

A Argélia ocupa o 146o lugar de 180 no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa 2020, estabelecido pela RSF. O país perdeu cinco posições com relação a 2019 e 27, quando comparado a 2015.