Notícia

9 Novembro 2016

Chineses e sírio são os vencedores da 25a edição do Prêmio Repórteres sem Fronteiras – TV5 Monde

O prêmio Repórteres sem Fronteiras – TV5 Monde para a liberdade de imprensa será entregue ao repórter sírio Hadi Abdullah, ao portal de notícias chinês 64Tianwang e aos “jornalistas cidadãos” Lu Yuyu e Li Tingyu, também de origens chinesa, durante cerimônia realizada no dia 8 de novembro em Strasbourg, na França.

Pelo quarto ano consecutivo, a cerimônia de entrega do prêmio RSF será realizada em Strasbourg, durante o Fórum Mundial pela Democracia, com a presença dos vencedores, de autoridades públicas e personalidades do jornalismo. A premiação será apresentada por Philippe Dessaint, da TV5 Monde. O renomado jornalista turco, Can Dündar, editor-chefe do jornal Cumhuriyet, vencedor do prêmio RSF em 2015, será o convidado de honra da cerimônia.


Na categoria jornalista do ano, a RSF entregou o prêmio ao jornalista Hadi Abdullah. Esse jovem sírio enfrentou muitos perigos para informar sobre a realidade no país. Jornalista independente, com apenas 29 anos, ele não hesitou em se aventurar por regiões perigosas, nas quais poucos de seus colegas se arriscam, com o objetivo de narrar os acontecimentos e dar a oportunidade aos diversos atores da sociedade civil de serem ouvidos. Em janeiro, ele chegou a ser sequestrado durante um curto período pelo grupo Al Nosra. Em diversas ocasiões, Hadi Abdullah beirou a morte. O cinegrafista Khaled al-Issa que o acompanhava morreu em junho desse ano quando uma bomba de fabricação caseira explodiu no apartamento que eles dividam. Hadi Abdullah, que também estava presente no momento da explosão, ficou gravemente ferido, mas sobreviveu.


Na categoria meio de comunicação, a RSF atribui o prêmio ao portal de notícias chinês 64Tianwang. Doze anos depois de seu fundador, Huang Qi, receber o prêmio “Cyber Dissidente” da RSF, 64Tianwang et seus colaboradores continuam sofrendo pressões sistemáticas por parte das autoridades chinesas. O site 64Tianwang, considerado subversivo pelo governo, é alvo de constantes ataques na rede e seus contribuidores se arriscam consideravelmente para continuar informando a sociedade. Em setembro, as autoridades chinesas detiveram cinco de seus repórteres espalhados pelo país, que cobriam o G20 em Hangzhou e as manifestações entorno encontro. Mesmo com a repressão, a luta do 64Tianwang não esmoreceu. Huang Qi afirma que “em 18 anos de atividades, nenhum jornalista do 64Tianwang aceitou assinar confissões redigidas pelas autoridades” e que assim nenhum deles contribuiu com a propaganda do Partido, que difunde confissões no canal CCTV e Xinhua, com o objetivo de descreditar vozes opositoras.


O prêmio “jornalista cidadão” será entregue ao casal Lu Yuyu et Lo Tingyu, também de origens chinesa.


Presos no dia 15 de junho de 2016, esses dois jornalistas ficaram detidos em segredo durante mais de três semanas sem poder contatar seus advogados. Acusados de “causar dano à ordem pública”, por ter documentado greves e manifestações na China, eles correm o risco de serem condenados à penas de prisão severas.


Nós estamos contentes de entregar o prêmio a esses jornalistas e meios de comunicação que se destacaram por seu profissionalismo e coragem, em países onde o jornalismo se tornou, em muitos casos, uma atividade que envolve colocar sua própria vida em risco, declarou Christophe Deloire, Secretário Geral da Repórteres sem Fronteiras. Com 29 anos, Hadi Abdullah se transformou nos olhos da comunidade internacional, testemunhando as atrocidades quotidianas perpetradas na Síria, um dos países com o maior número de jornalistas assassinados do mundo. Lu Yuyu e Li Tingyu fazem parte da lista de 80 “jornalistas cidadãos” e blogueiros presos na China, e que podem acabar pagando um alto preço pelo engajamento por uma informação livre e independente. Um combate heróico levado adiante igualmente pelo portal de notícias 64Tianwang, ele próprio na mira da justiça do país.


Aqui você encontra o perfil dos vencedores e indicados ao Prêmio, aos quais a Repórteres sem Fronteiras e a TV5 Monde também prestam homenagem.


Desde 1992, o Prêmio Repórteres sem Fronteiras – TV5 Monde recompensa jornalistas e meios de comunicação que se destacaram pela defesa e a promoção da liberdade de imprensa no mundo. O ano 2016 marca a 25 a edição do Prêmio.