Mauritânia

Mauritânia

Um blogueiro mantido ilegalmente em detenção secreta

Será que o novo presidente da Mauritânia, Mohamed Ould El-Ghazaouani, eleito em 2019, encerrará o colapso da Mauritânia no Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa estabelecido pela RSF? Poucos dias antes da entrega do cargo por seu antecessor, o blogueiro Mohamed Cheikh Ould Mohamed Mkhaïtir foi finalmente libertado. Inicialmente condenado à pena de morte por "apostasia" , antes de sua sentença ser comutada para dois anos de prisão em 2017, ele já era mantido na prisão sem o devido processo. Ao todo, o blogueiro passou cinco anos e meio em detenção, a maior parte do tempo em total isolamento e sem visitas da família ou advogados. Essa libertação não é suficiente para tranquilizar sobre o estado da liberdade de imprensa no país. Algumas semanas antes, vários jornalistas e blogueiros críticos ao poder haviam sido presos e a Internet havia sido cortada por 11 dias em torno do período da eleição presidencial. Por medo de represálias, a maioria dos jornalistas se autocensura quando precisa cobrir assuntos como corrupção, os militares, o Islam ou a escravidão - que ainda existe no país. Este último assunto é particularmente tabu. Em 2018, as autoridades não hesitaram em expulsar pela segunda vez em um ano, um jornalista estrangeiro que estava investigando essa prática. A censura é reforçada por pressões financeiras. Cinco canais de TV e estações de rádio privadas foram suspensos por razões fiscais em outubro de 2017.

97
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2020

Posição

-3

94 em 2019

Pontuação global

+0.89

31.65 em 2019

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2020
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2020
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2020
Ver o Barômetro