Mauritânia

Mauritânia

Um blogueiro mantido ilegalmente em detenção secreta

Desde 2014, a Mauritânia experimentou um declínio acentuado na liberdade de imprensa, contrariando os grandes avanços que o país conseguiu alcançar nos anos anteriores. Um projeto de lei, que pune com a pena de morte a apostasia e a blasfêmia, mesmo em caso de arrependimento, foi adotado. Esse endurecimento ocorreu depois que o blogueiro Mohamed Cheikh Ould Mohamed Mkhaïtir, que está detido há quase três anos, teve sua sentença de morte atenuada para uma pena de dois anos de prisão. Com direito a ser libertado desde novembro de 2017 ele é, no entanto, mantido em detenção secreta. Por medo de represálias, a maioria dos jornalistas se autocensura quando precisa cobrir assuntos como corrupção, os militares, o Islam ou a escravidão - que ainda existe neste país. Este último assunto é particularmente tabu. Em 2018, as autoridades não hesitaram em expulsar pela segunda vez em um ano, um jornalista estrangeiro que estava investigando essa prática. A censura é reforçada por pressões financeiras. Cinco canais de TV e estações de rádio privadas foram suspensos por razões fiscais em outubro de 2017.

94
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2019

Posição

-22

72 em 2018

Pontuação global

+2.56

29.09 em 2018

  • 0
    journalistes tués em 2019
  • 0
    journalistes citoyens tués em 2019
  • 0
    collaborateurs tués em 2019
Ver o Barômetro