Malta

Malta

Uma imprensa obrigada a se proteger

O ano de 2017 foi marcado pelo assassinato com carro bomba da jornalista anticorrupção Daphne Caruana Galizia, que havia revelado os bastidores da política local e provocou por tabela a realização de eleições gerais antecipadas em 2017. Ao longo dos anos a até sua morte, a jornalista sofreu pressões crescentes, exacerbadas pela popularidade de seu blogue Running Commentary, assim como por seu trabalho sobre os Panama Papers, entre outros. No momento de seu desaparecimento, ela era alvo de 42 processos por difamação, tanto na justiça civil quanto na penal. Era também regularmente alvo de ameaças e de assédio. Esses processos judiciais chamados SLAPPs (Strategic Lawsuits Against Public Participation) objetivam esgotar os recursos financeiros dos jornalistas que questionam os poderosos. Sob ameaça de personalidades importantes ou grandes grupos, alguns meios de comunicação independentes foram forçados a abdicar e a retirar do ar artigos publicados em seus sites.

65
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2018

Posição

-18

47 em 2017

Pontuação global

+2.68

24.76 em 2017

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2018
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2018
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2018
Ver o Barômetro