Maldivas

Maldivas

Repressão da imprensa independente e de oposição

Cinco anos após o golpe de estado de fevereiro de 2012, o governo endurece ainda mais sua política repressiva contra a imprensa independente. Em agosto de 2016, o parlamento adotou uma nova lei criminalizando a difamação e permitindo às autoridades fechar um meio de comunicação. Inúmeros jornalistas afirmam ser alvo de ameaças. Segundo um relatório publicado pela Maldives Broadcasting Corporation (MBC), os partidos políticos são os primeiros autores dessas ameaças. Em seguida, estão as gangues e os extremistas religiosos. Em abril de 2017, o jornalista cidadão Yameen Rasheed, que investigava sobretudo a corrupção dentro do governo, morreu apunhalado. Um clima de insegurança e de impunidade prejudicial que força os jornalistas à autocensura. A situação da liberdade de imprensa regrediu ainda mais no início de 2018, com a proclamação do estado de urgência, que permitiu ao governo intimidar os repórteres e fechar meios de comunicação independentes.

120
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2018

Posição

-3

117 em 2017

Pontuação global

-1.35

39.30 em 2017

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2018
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2018
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2018
Ver o Barômetro