Islândia

Islândia

Um sistema cada vez menos viável

Apesar da ambição declarada de se tornar o eldorado do jornalismo investigativo e da mídia online com a adoção, em 2010, da lei da iniciativa islandesa de modernização dos meios de comunicação (IMMI), o clima para os jornalistas na Islândia tem se deteriorado com o endurecimento das relações entre o mundo político e a imprensa. A crise econômica de 2008 teve um forte impacto no setor de mídia. Tornou o mercado de trabalho na área mais precário, fragilizou as redações diante das pressões dos lobbies, mas, ao mesmo tempo, reavivou a confiança da população nos meios de comunicação e em seu papel como pilar da democracia. Depois da crise, a aquisição de dois grandes jornais diários nacionais por grandes empresas pesqueiras ou industriais gerou um problema de conflito de interesses.

No final de 2019, o escândalo que ficou conhecido como “Fishrot Files” estourou quando a mídia investigativa começou a cobrir milhares de documentos publicados pelo WikiLeaks que vazaram de uma das maiores empresas de pesca da Islândia, indicando que esta havia subornado políticos na Namíbia para garantir uma grande parte da cota de pesca do país africano.

A legislação islandesa protege os jornalistas e a liberdade de expressão, mas a falta de financiamento dos meios de comunicação continua sendo o principal obstáculo. Uma nova lei sobre financiamento de meios de comunicação está em discussão.

16
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2021

Posição

-1

15 em 2020

Pontuação global

+0.25

15.12 em 2020

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2021
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2021
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2021
Ver o Barômetro