Emirados Árabes Unidos

Emirados Árabes Unidos

Uma sofisticada vigilância online

Os Emirados Árabes Unidos tornaram-se mestres em matéria de vigilância online de jornalistas, alvos recorrentes das autoridades devido à lei sobre crimes cibernéticos (2012). Jornalistas e blogueiros caem no foco das autoridades assim que expressam críticas mínimas ao regime. Geralmente, são acusados de difamação, ofensa ao Estado ou difusão de informações falsas com o propósito de prejudicar a imagem do país. Ao fazer isso, arriscam-se a pesadas penas de prisão e são suscetíveis de maus tratos quando em detenção. O blogueiro Ahmed Mansoor foi preso em março de 2017 e depois condenado a 10 anos de prisão e a multa de um milhão de dirhams (o equivalente a 250 mil euros). Ele é acusado de difamar o país nas redes sociais publicando, entre outras coisas, “informações falsas, boatos e mentiras sobre os Emirados” visando prejudicar a reputação do país.  A Constituição do país garante a liberdade de expressão, mas o governo pode censurar publicações locais ou estrangeiras se elas forem críticas quanto à política doméstica, às famílias soberanas, à religião, à relação do país com seus aliados ou ainda à economia do país, devido à lei federal de 1980 sobre impressos e publicações.

131
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2021

Posição

0

131 em 2020

Pontuação global

+0.44

42.69 em 2020

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2021
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2021
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2021
Ver o Barômetro