Dia Mundial contra a Censura na Internet

"Collateral Freedom"

A 12 de março de 2016, por ocasião do dia contra a censura online, Repórteres sem Fronteiras (RSF) procede ao desbloqueio tecnológico de sites censurados em 5 países e lança a aplicação RSF Censorship Detector, no âmbito da operação Collateral Freedom #2.

A operação Collateral Freedom #2 está em curso. Seu objetivo? Permitir o acesso à informação digital nos territórios em que está proibida e dissuadir os Inimigos da Internet de atacar páginas de informação. Depois de ter desbloqueado 11 sites de informação em 2015, RSF prossegue a operação Collateral Freedom e torna acessíveis seis novos endereços censurados em seus respetivos países: Radio Free Asia e Defend the Defenders (Vietnã), Sarawak Report (Malásia), Boxun (China), Sendika.org (Turquia) e European Saudi Organization for Human Rights (Arábia Saudita).


A operação se baseia na técnica dos sites-espelho: RSF coloca online uma cópia exata do site bloqueado num serviço de hospedagem informática inserido em “nuvens” como Fastly, Amazon, Microsoft ou Google. Bloquear os serviços destes gigantes da web significa negar tecnologias essenciais a milhares de empresas. Os danos colaterais de um tal bloqueio, econômicos ou políticos, seriam difíceis de assumir para qualquer país.



Em 2016, RSF inova e coloca à disposição do público uma ferramenta exclusiva, concebida especialmente para a ocasião. Os programadores Brendan Abolivier e Clément Salaün criaram uma extensão para o navegador Google Chrome que facilita o acesso às versões-espelho dos sites protegidos por Collateral Freedom. Quem for à página original de um dos sites bloqueados verá o ícone da aplicação RSF Censorship Detector ficar vermelho. Bastará então clicar nele para ser automaticamente redirigido para a versão livre disponibilizada por RSF.


Em apenas um ano, os servidores de Collateral Freedom receberam mais de 64 milhões de pedidos de acesso e enviaram mais de 587Gb de dados. Nos primeiros dias, o sucesso da operação obrigou a organização a aumentar a capacidade de seus servidores para absorver o afluxo massivo de tráfego. Desde então, RSF já criou outros sites-espelho e utiliza novos serviços de hospedagem. Desde modo, a organização poderia disponibilizar novas páginas se um país decidisse bloquear a totalidade de um serviço. A lista dos sites-espelho e dos serviços utilizados se encontra atualizada em github.org.

RSF manterá a operação Collateral Freedom em funcionamento enquanto tiver meios que o permitam.


Para mais informações: 12mars.rsf.org


Você pode contribuir para este combate:

  • partilhando esta informação com o hashtag #CollateralFreedom e divulgando o trabalho dos sites bloqueados


A Malásia, a Turquia, a Arábia Saudita, o Vietnã e a China ocupam respetivamente os lugares 147, 149, 164, 175 e 176, num total de 180 países, na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa, elaborada por Repórteres sem Fronteiras em 2015.