Bulgária

Bulgária

Liberdade de imprensa emperrada

As poucas vozes livres no país sofrem cotidianamente com a intimidação e a violência, de um lado, e as campanhas de difamação e pressão do Estado, de outro. Uma vez que a condenação dos crimes contra jornalistas não está na ordem do dia, a situação dos meios de comunicação na Bulgária é muito preocupante. O repórter Dimiter Kenarov foi violentamente abordado pela polícia durante uma manifestação, enquanto o jornalista investigativo Slavi Angelov foi vítima de um ataque da máfia em frente à sua casa. Nikolay Staykov recebeu ameaças de morte após publicar uma investigação sobre corrupção de alto nível no judiciário. Os jornalistas independentes são regularmente intimados pela polícia por causa de seu trabalho, enquanto políticos e oligarcas mantêm relações marcadas por corrupção e conflitos de interesse com a mídia pró-governo. Embora o homem que simbolizou essa tendência, Delyan Peevski, tenha vendido os seus veículos de comunicação, sua influência na imprensa continua problemática. A atribuição de fundos nacionais e europeus é feita de forma opaca, o que torna alguns meios de comunicação complacentes com o governo. Ao mesmo tempo, o assédio judicial contra veículos independentes, como o Bivol e o grupo Economedia, continua a pairar sobre a liberdade de imprensa. Em junho de 2020, um dos proprietários do Economedia, Ivo Prokopiev, foi finalmente absolvido pela justiça de acusações de natureza política.

112
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2021

Posição

-1

111 em 2020

Pontuação global

+2.23

35.06 em 2020

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2021
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2021
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2021
Ver o Barômetro