Bolívia

Bolívia

Imprensa asfixiada e alvo sistemático de ataques

Devido ao decreto supremo 181 de 2009, os jornalistas que "mentem", "fazem política partidária" ou "ofendem o governo" podem ser privados das rendas vinculadas à publicidade oficial. Essas pressões financeiras desempenham um papel muito importante na Bolívia, um dos países mais pobres da América do Sul. Juntamente com prisões arbitrárias e um alto nível de impunidade, esse clima favorece fortemente a autocensura em todo o país. O período de turbulência e instabilidade política, provocado pelo exílio forçado do ex-presidente Evo Morales no final de 2019 e concluído com a eleição do novo presidente Luis Arce, empossado em novembro de 2020, foi marcado por inúmeros ataques a jornalistas no âmbito de movimentos sociais e protestos em todo o país, cometidos por manifestantes, mas também pela polícia. Quando vistos como inconvenientes, os jornalistas bolivianos são alvo de processos judiciais abusivos.  Em 2020, os ataques físicos aos veículos de comunicação aumentaram, especialmente nas áreas rurais do país. 

110
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2021

Posição

+4

114 em 2020

Pontuação global

+0.10

35.37 em 2020

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2021
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2021
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2021
Ver o Barômetro