Alemanha

Alemanha

Um judiciário forte, novas leis preocupantes

Sólidas garantias constitucionais e um judiciário independente asseguram um ambiente de trabalho favorável para jornalistas que trabalham na Alemanha. A Corte Constitucional se pronunciou, inúmeras vezes, a favor da liberdade de imprensa e dos direitos fundamentais correlatos. No entanto, os jornalistas são às vezes ameaçados ou assediados por grupos de extrema direita e manifestantes. Em alguns casos, os jornalistas são fisicamente atacados - uma tendência preocupante que surgiu em 2015 e se intensificou em 2018. Os juízes às vezes excedem os limites legais ao investigar vazamentos na imprensa. Vários jornalistas tiveram seu credenciamento retirado na cúpula do G20 em 2017, em Hamburgo. Esse escândalo revelou a extensão do armazenamento ilegal de dados sobre jornalistas pela polícia. Uma lei de 2017 contra o discurso de ódio nas redes sociais ameaça os provedores de plataformas com multas pesadas se não removerem conteúdo "claramente ilegal" em um tempo muito curto. Além de incentivar o bloqueio excessivo de dados, essa lei tem sido usada como referência para a legislação repressiva em outros países, incluindo a Rússia e as Filipinas. Outras leis recentes geram preocupações porque incluem cláusulas referentes aos delatores e sancionam o uso de vazamentos. A chamada lei de inteligência, ou BND, legalizou a espionagem de jornalistas estrangeiros fora da UE. As leis alemãs que regulam o acesso à informação permanecem tímidas em comparação com outros países. O progressivo desaparecimento econômico de jornais e editoras continua a minar lenta e constantemente o pluralismo da mídia.

13
na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2019

Posição

+2

15 em 2018

Pontuação global

+0.21

14.39 em 2018

  • 0
    Jornalistas assassinados em 2019
  • 0
    Jornalistas cidadãos assassinados em 2019
  • 0
    Colaboradores assassinados em 2019
Ver o Barômetro